Manifestação contra racismo na Puc Campinas
Noemy Ariane
Manifestação contra racismo na Puc Campinas

Na última quarta-feira (18), a PUC-Campinas recebeu uma série de notificações feitas pelo Ministério Público de São Paulo sobre caso de racismo praticado contra a aluna Noemy Ariane Tomas, durante sarau literário que marcava a reabertura do Centro Acadêmico de Ciências Sociais na universidade.

Segundo Caio Madeira, músico e compositor presente no dia do evento, Noemy - que cursa o primeiro ano de Ciências Sociais - recitava o poema "Me gritaram Negra" quando um aluno do curso de Direito começou a imitar um macaco em uma escada, ao lado do sarau.

“O poema era justamente sobre se descobrir negra e as implicações sociais disso - de forma que ela estava constantemente bradando a palavra ‘negra’ com orgulho e força”, disse o compositor.

Leia também:  Por que o 'blackface' feito pelo premier canadense é uma forma de racismo

Caio afirmou que um grupo de estudantes presentes no sarau foi atrás do aluno, e alguns voltaram chorando por terem sido ofendidos.

“Noemy pegou o microfone e disse que por mais que fosse incômodo para alguns, negros e negras continuariam a ocupar a universidade sim, e cada vez mais”.

Em depoimento ao iG Último Segundo, Noemy preferiu não comentar o caso e diz estar “aguardando a sindicância interna ” da universidade.

A jornalista e autora do livro “A Negra Cor que resiste nas ruas Campineiras”, Geovanna Bispo, pensa que se a população negra não tomar voz , isso vai continuar acontecendo com evidência.

“A gente tem que parar de pensar que foi injúria racial. As pessoas confundem racismo com injúria racial. Isso é racismo ”, conclui a jornalista.

Leia também:  Advogado processa Bolsonaro no STF por racismo após fala sobre o Nordeste

Ato de Solidariedade

Noemy Ariane
"Me gritaram negra e eu resisti", diz cartaz


Diversos grupos, formados por estudantes da universidade, realizaram um ato pacífico na última segunda-feira (16) apoiando Noemy e exigindo punições para o estudante de direito, que não quis gravar entrevista.

Além disso, inúmeras páginas do Facebook, como “Te vi na Puccamp”, “União de Jovens Comunistas da Puccamp (UJC)”, e de outras faculdades da região, como a Unicamp, se solidarizaram com a aluna ofendida e repudiaram o autor das ofensas.

A Universidade diz ter instaurado um processo de sindicância interna “para investigar as supostas ofensas racistas envolvendo os estudantes” e que “acompanha as investigações conduzidas pela Polícia Civil após o registro do Boletim de Ocorrência pela aluna”.

Você viu?

Leia também:  Trump ataca famoso ativista negro dos EUA e volta a ser acusado de racismo

“É importante salientar o caráter retraído que a PUC-Campinas tem tomado em casos como esse. As sindicâncias internas, que averiguam essas situações pouco surtem efeito, apenas provêem quando há interferência do Ministério Público, de reportagens da mídia e principalmente quando há uma pressão da massa estudantil”, diz aluno. A fonte, que é membro do Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (CCHSA) e militante da UJC, solicitou anonimato.

“É bom salientar também que o racismo é um problema sistêmico, o estado e grande parte dos capitalistas lucram toneladas em cima do sangue preto. A superação do racismo não vai se dar por grandes corporações promovendo falsos discursos de inclusão, mas sim, por uma luta anti-racista acoplada na luta anticapitalista”, concluiu.

Leia também:  Bolsonaro é inocentado em acusação de racismo contra quilombolas

Racismo é crime


Discriminar as pessoas pela cor da pele é crime. A lei prevê que, se comprovado o ato de racismo, o indivíduo pode ser condenado de um a cinco anos de prisão . A Lei de nº 7.716 surgiu há pouco mais de 30 anos e tenta combater crimes ligados ao racismo.

Veja algumas imagens que circularam nas redes sociais , incluindo movimentos que iniciaram após o ato de racismo, como "Relatos Sobre Machismo".

Unicamp faz manifestação em prol de aluna que sofreu racismo na Puc Campinas
Facebook/ Unicamp
Unicamp faz manifestação em prol de aluna que sofreu racismo na Puc Campinas




Imagem da manifestação circula em redes sociais
Noemy Ariane
Imagem da manifestação circula em redes sociais




    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários