Hospital de Campanha construído em Campinas para atender pessoas com Covid-19.
Fernanda Sunega/Prefeitura de Campinas
Hospital de Campanha construído em Campinas para atender pessoas com Covid-19.


O hospital de campanha instalado pela Prefeitura de Campinas , em parceria com uma empresa, no Parque Itália, deve ser desativado no início de agosto, conforme o informado pelo diretor da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta, em coletiva na tarde desta quarta-feira (22). A estrutura tem 84 leitos de enfermaria exclusivos para Covid-19 , utilizados para casos de baixa e média complexidade, e nenhuma UTI.

Segundo Pimenta, as unidades da Rede Mário Gatti chegaram a ter, na terça-feira (21), mais de 60 leitos de retaguarda vagos, de um total de 240, o que indica uma diminuição na demanda por esse tipo de estrutura.

“O número (de casos) ainda é alto, mas já estamos vendo que os nossos leitos de retaguarda não estão todos ocupados, então é hora de começar a pensa rna desmobilização. Como estamos nesse platô alto, e o acompanhamento tem demonstrado que já não há mais pressão para os leitos de enfermaria ou de retaguarda, vamos ter condições de assumir esses pacientes que já estão internados”, afirmou o diretor.

Leia também:Campinas confirma mais 692 contaminados e dez mortes

Além disso, o contrato com a empresa parceira da Prefeitura termina justamente em agosto. Apesar do plano, o cenário pode mudar caso os números da Covid-19 voltem a subir.

“Isso não será feito de uma maneira abrupta. Nosso contrato com a empresa que lá está vai até meados de agosto, que é quando deverá ser desmobilizado, se tudo continuar nessa mesma sequência. Estamos acompanhando todos os dias”, acrescentou Pimenta.

O hospital de campanha foi construído em 18 dias, com ajuda da ONG Expedicionários da Saúde, no Ginásio dos Patrulheiros, e está funcionando desde o dia 15 de maio.

Campinas tem direcionado para o hospital de campanha do Ibirapuera, na capital, pacientes graves de Covid-19, de outras cidades da região, que antes seriam tratados em Campinas. A diferença é que, no Ibirapuera, são atendidos aqueles que precisam ir para UTI. Para esse tipo de leito, a cidade registrou 85,33% de ocupação nesta qurta-feira.

    Veja Também

      Mostrar mais