ACidade ON

Protesto pela reabertura foi realizado na Prefeitura de Campinas.
ACidade ON
Protesto pela reabertura foi realizado na Prefeitura de Campinas.


Um grupo de comerciantes de diversos setores se reuniu na manhã de hoje (23) em frente à Prefeitura de Campinas , para reivindicar a reabertura. O protesto reuniu comerciantes do setor de bares, restaurantes, hotelaria, além de segmentos de beleza e do comércio em geral , que pedem a liberação imediata para funcionamento. 

A cidade, que permanece há três semanas na fase vermelha do plano São Paulo, tem expectativa para voltar para a fase laranja (com liberação do comércio) na próxima segunda-feira (27). No entanto, mesmo com a liberação os setores alimentícios e de beleza ainda são proibidos de reabrir, sendo autorizados somente na fase amarela do plano. 

A manifestação começou às 9h e foi organizada pelo Sinhotel (Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares). O protesto ainda contou com apoio da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), da ABSB (Associacao Brasileira de Salões de Beleza) entre outros sindicatos da categoria. 

Leia também: Jonas deve adotar multa de R$ 500 para quem não usar máscara

No vídeo do divulgado por organizadores, o Sinhotel cita uma manifestação pacífica e com segurança para pedir o comparecimento dos trabalhadores do setor. Segundo o sindicato, o fechamento causou 24 mil desempregados no setor, e prevê mais demissões caso a proibição de reabertura prossiga. 

Reivindicação

Com faixas, os manifestantes pedindo a retomada responsável , alegando precisarem da liberação para conseguirem se manter. O presidente da ABSB, José Augusto Santos, participou do protesto e pede a liberação independente da classificação do estado.  

"Pedimos a reabertura imediata para evitar mais prejuízos. Mesmo que Campinas mude a classificação, só poderíamos reabrir no amarelo, causando ainda mais demissões", afirmou. 

Segundo Santos, em Campinas é estimado que 3 mil trabalhadores perderam o emprego após o fechamento de salões, e muitos proprietários já não sabem se conseguirão reabrir. 

"Temos muitas demissões, e muitos proprietários que já informaram que não vão retornar, porque não conseguem mais lidar com aluguel, despesas, dívidas. Então pedimos a reabertura antes que mais empresas quebrem", declarou. 

Resposta da Prefeitura

Procurada, a Prefeitura de Campinas disse que têm feito reuniões constantes com representantes do setor de restaurantes, bares e hotéis, buscando solução para o problema. Em nota, a Administração cita que a liberação "depende de condições sanitárias e decisões técnicas que vem sendo tomadas pelo Governo do Estado e respaldadas pela Justiça".   

Ainda em nota, a Prefeitura cita que a "principal preocupação é salvar vidas, e será assim, com muita responsabilidade e ouvindo os profissionais de saúde, que irá tomar decisões que preservem a vida e possibilitem a retomada da economia".

    Veja Também

      Mostrar mais