ACidade ON

Campinas registrou aglomerações no Centro da cidade após reabertura.
Gilson Machado
13 de maio é uma das ruas mais movimentadas de Campinas.


Lidando com a nova autorização e reabertura do comércio nesta semana, a RMC (Região Metropolitana de Campinas) ainda enfrenta taxas crescentes de novos casos e óbitos do novo coronavírus. 

Segundo o Observatório da PUC-Campinas, que estuda os números da covid-19 na região, a semana passada, que antecedeu a liberação, foi responsável por alta de 68% em novos casos e de 20% em novas mortes, sendo 6,6 mil confirmados e 197 óbitos registrados entre os dias 19 e 25 de julho, subindo ainda a média móvel para 900 casos diários.   

O DRS Campinas, departamento classificado pelo Estado que abrange 42 cidades da região, além da RMC, foi autorizado para avanço de fase após a manutenção da taxa de ocupação de leitos em todo o perímetro, que chegou a abaixo de 80%.

Leia também: Ocupação de leitos de UTI cai e iguala nível do início de junho

O departamento, no entanto, inclui cidades como Jundiaí, Várzea Paulista, Bragança Paulista entre outras, que são responsáveis pela somatória da média total de casos da região.

Até o final da última semana, o DRS-Campinas ficava atrás apenas da Grande São Paulo, registrando 44,8 mil casos e 1,6 mil óbitos. Entre o número total da região, a RMC foi responsável por computar 32,1 mil casos e 1,1 mil mortes por covid-19. 

Mesmo com o aumento dos números confirmados, o Estado justifica que o crescimento se deve à maior testagem dos casos mais leves da doença.  

NÚMEROS AINDA ELEVADOS

Segundo o estudo, apesar de estáveis, as taxas de ocupação de leitos de UTI seguem elevadas em Campinas, que somou 2,7 mil novos casos (aumento de 84% em relação à semana epidemiológica anterior) e 96 novas mortes (+4,3%) no período analisado pelo Observatório.  

Na cidade, o índice de ocupação de leitos segue estabilizado, mas em percentual considerado alto. Até ontem (27) a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para covid-19 se mantinha em 86,71% , com 359 dos 414 leitos ocupados.

Ainda de acordo com os pesquisadores, após começar ontem (27) uma nova tentativa de reabertura após três semanas, Campinas registra ainda o pior coeficiente de mortalidade da região, com 54,9 mortes por 100 mil habitantes.

Cautela

O economista Paulo Oliveira, que coordena as análises sobre o coronavírus no Observatório, diz que o retorno das atividades deve ser articulado entre os municípios para não resultar em aumento exponencial.

"Caso contrário, a rotina de aberturas e fechamentos vai dificultar bastante o planejamento e a gestão de estoques para os comerciantes. A estabilidade dessa abertura e um impacto menor no crescimento de casos vai depender muito da consciência da população e dos empresários da região no cumprimento dos protocolos e das exigências estabelecidas" declarou.

O pesquisador ainda prevê uma retomada lenta da economia em razão do desemprego e da diminuição de renda da população.

    Veja Também

      Mostrar mais