Carmino de Souza, secretário de Saúde de Campinas
Carlos Bassan
Carmino de Souza, secretário de Saúde de Campinas, explicou como vai funcionar novo inquérito.


A Prefeitura de Campinas inicia nesta segunda-feira (30) mais um inquérito sorológico para traçar um panorama mais próximo da realidade em relação à taxa de infecção do novo coronavírus na cidade. Até o dia 15 de agosto, a Secretaria de Saúde vai realizar 1.723 testes rápidos, que detectam se uma pessoa já desenvolveu anticorpos contra o vírus.

A taxa resultante deste processo será comparada com os números obtidos durante a realização do primeiro inquérito sorológico realizado na cidade, entre 9 e 20 de junho. Esse levantamento testou 1.937 pessoas, das quais 43 testaram positivo para o novo coronavírus, causador da Covid-19. 

Leia também: Campinas tem queda na taxa de transmissão do novo coronavírus

Com isso, concluiu-se que a taxa de prevalência era de 2,22%, levando em conta que no dia 26 de junho, quando foi encerrado o estudo, o número de casos confirmados era de 7.027. A  proporção do resultado da testagem aplicada em relação ao número de habitantes da cidade, que é de 1,2 milhão, permitiu projetar que a taxa de subnotificação na contabilização de casos era de 3,8%.

Como funciona?

O secretário Municipal de Saúde, Carmino de Souza, contou que para o segundo inquérito, a cidade foi mapeada e foram sorteadas as ruas e os imóveis que serão visitados pelas equipes dos Centros de Saúde, assim como no primeiro. “Vão ser duas semanas de inquérito e serão usados testes rápidos. Se a casa tiver quatro pessoas, uma delas será sorteada. Se o resultado de uma delas for positivo, o teste é feito na ‘casa inteira’”, afirmou. Pessoas com sintomas serão encaminhadas para os centros de saúde.

Os testes rápidos são feitos com uma picadinha no dedo para colher a amostra de sangue. O resultado sai em 15 minutos. Os casos positivos serão notificados ao banco de dados do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa).

Além de serem testados, os participantes também responderão a um questionário sobre comportamento diante da pandemia. Os agentes da Secretaria de Saúde estarão identificados ao visitarem as casas e as pessoas poderão entrar em contato com o seu Centro de Saúde se tiverem qualquer dúvida. Os cidadãos são livres para aceitar ou não participar. A participação não tem custo.

    Veja Também

      Mostrar mais