Wandão foi entrevistado pelo iG nesta quinta-feira.
ig
Wandão foi entrevistado pelo iG nesta quinta-feira.


O ex-secretário de Relações Institucionais da gestão Jonas Donizette e presidente municipal do PSB, Wanderley de Almeida, o Wandão, foi entrevistado pelo portal iG nesta quinta-feira (13), em mais um episódio da série de lives com pré-candidatos à Prefeitura de Campinas . Em conversa com os jornalistas Aloy Jupiaria, Bruno Accorsi e Ricardo Galuppo, Wandão falou como pretende dar sequência ao trabalho feito por Jonas, caso vença as eleições e consiga perpetuar o PSB no comando do poder executivo da cidade.

A entrevista pode ser vista na  página do Facebook e no canal do Youtube do iG .

Entre os planos do pré-candidato, está a concretização de um polo de alta tecnologia já engatilhado pela atual gestão. “Nós trabalhamos junto ao governo do Estado uma área de 300 mil metros quadrados e que eu quero implementar na minha gestão, para atrair empresas desse segmento e reforçar ainda mais a vocação que Campinas tem”, afirmou.

Questionado sobre propostas para habitação, Wandão disse trabalhar com a ideia de desburocratizar o processo de aprovação de projetos imobiliários. Além disso, falou sobre planos de coibir ocupações, ao mesmo tempo em que buscará regularizações fundiárias.

“Vamos fomentar o mercado imobiliário local com medidas que desburocratizem a aprovação de projetos, isso já está acontecendo, e pretendo ampliar. Há um debate na Câmara sobre a aprovação passar para a COHAB, para ter mais celeridade”, comentou.

“A aprovação de lotes para população de baixa renda é outra forma de fazer frente a isso. Nós também dependemos de uma política federal e estadual que auxilie. Dar moradia a um custo que as pessoas, principalmente de baixa renda, possam adquirir, requer subsídio. Na nossa esfera municipal: regularização fundiária, coibir ocupações. Nós tivemos no governo Jonas Donizette, praticamente todas as iniciativas de ocupação foram frustradas”, completou.

IPTU

O pré-candidato do PSB também comentou sobre o alto valor do IPTU, teve aumento de 40% em 2018 e de 14% em 2019. Segundo ele, o aumento era inevitável porque houve um acúmulo de correções atropeladas em anos anteriores, situação que causou distorções na planta genérica de valores do município. Wandão avalia que, na maioria dos casos, o reajuste foi justo, mas que se compromete a conversar com setores específicos que teriam sido prejudicados.

“O que se fez foi cumprir a lei, que diz que tem que ser corrigido de quatro em quatro anos, e trazer um pouco de justiça tributária. Alguns segmentos foram mais afetados, tem discussões em andamento, que eu pretendo dar sequência, como é o caso dos galpões industriais, que alegam ter uma alíquota acima da média nacional, me aprece justa essa reivindicação. Eles têm o meu compromisso, que eu ganhando as eleições, a gente vai dar sequência e corrigir essa distorção. Mas na maioria o que se tem é uma atualização dos valores e uma justiça tributária”, disse.

    Veja Também

      Mostrar mais