Em 5 meses, consumo de oxigênio aumenta 82% em hospitais de Campinas
Reprodução: ACidade ON
Em 5 meses, consumo de oxigênio aumenta 82% em hospitais de Campinas

A quantidade de oxigênio usada nos hospitais municipais de Campinas aumentou 82% nos últimos cinco meses. O balanço, a pedido do ACidade ON Campinas , foi divulgado pela Prefeitura de Campinas referente ao usado em toda a Rede Mário Gatti.

Segundo o levantamento, em novembro do ano passado foram usados 55.215 metros cúbicos de oxigênio nos hospitais (que utilizam o encanamento de oxigênio líquido). Já no mês passado, foram 100.659 m³. O total usado neste mês ainda não foi divulgado.

O número mostra ainda um aumento progressivo nos últimos meses. Em novembro, foram usados 52,6 mil metros cúbicos, já em dezembro 70,6 mil e janeiro 76,2 mil m³, número que depois saltou para os 100,6 mil informados.

Segundo a Prefeitura, o número ainda não atingiu o pico do ano passado, mas segue em tendência de aumento e pode ultrapassar o recorde. O maior consumo registrado até agora foi em julho- mês do primeiro pico da pandemia. No mês, foram usados 110.177 metros cúbicos de oxigênio.

CILINDROS
Seguindo a mesma tendência, o uso de oxigênio gasoso também aumentou nos últimos meses. Em Campinas, os cilindros são usados nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e em situações de "trânsito".

De acordo com o balanço dos mesmos meses, em outubro foram usados 683 metros cúbicos, já em novembro 873 e dezembro 1.935. Neste ano, janeiro teve 1.298 m³ usados, e no mês passado foram 740.

Segundo a Secretaria de Saúde, o aumento registrado nos meses de dezembro e janeiro foram vistos por causa da ampliação da UPA Anchieta durante o período. Nestes meses, o número superou o pico do ano passado, que também em julho tinha sido do uso de 1.056 m3.

Apesar de confirmar o aumento nos últimos meses, a Prefeitura afirma que não há risco de desabastecimento de oxigênio na cidade.
Questionada sobre os custos, a Administração também não respondeu sobre o valor pago pelos oxigênios, nem se houve necessidade de algum contrato emergencial.

PROBLEMAS
Na região, Valinhos anunciou nesta semana um aumento de mais de 1000% no uso de oxigênios, tendo que recorrer para o empréstimo de cilindros com clínicas veterinárias.

Segundo a Prefeitura na cidade o uso passou de 24 cilindros de dez metros cúbicos por semana, para 40 cilindros diários (aumento de 1.370%). Com a pressão, o contrato que daria para seis meses já se encerraria no mês que vem, e a Prefeitura indicou novo processo de compra.

COMO É?
O oxigênio é usado em qualquer situação em que a oxigenação do paciente está abaixo de 90%. Sua utilização costuma ser mais comum em UTIs, unidades semi-intensivas, salas de emergência e departamentos cirúrgicos.

Com a pandemia de covid-19, até áreas de enfermaria têm usado oxigênio, por causa da demanda de pacientes. Como a covid-19, ao atacar os pulmões, dificulta as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares, torna-se necessário enriquecer o ar que a pessoa está respirando, seja a partir de cateteres, máscaras ou mesmo por intubação.

Nos casos de pacientes contaminados, é comum que a oxigenação alcance níveis de 40%, 60% ou mais de oxigênio no ar fornecido. A intubação, ocorre quando o paciente gasta energia demais para respirar. Com o procedimento, diminui-se o esforço, a atividade metabólica e o consumo de oxigênio.

"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários