Jonas Donizette, ex-prefeito de Campinas.
Reprodução
Jonas Donizette, ex-prefeito de Campinas.

O presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos) e ex-prefeito de Campinas , Jonas Donizette (PSB) contestou nesta sexta-feira (2) a declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), de que não há falta de leitos de UTI nos hospitais do país. Em uma rede social, Donizette publicou que: "o presidente parece viver no mundo da Alice no País das Maravilhas. 

"É lastimável, mas parece que o presidente vive no mundo da Alice no País das Maravilhas. Talvez em uma bolha. Não reconhece a dramática realidade que estamos atravessando. Agora, nega que exista falta de leitos de UTIs", citou Jonas no Twitter. 

Bolsonaro fez a afirmação durante sua "live" semanal nas redes sociais durante a noite de ontem (1º). 

"As informações que nós temos pelo Brasil todo é que não tem faltado leito de UTI. Chega em 95%, 90%, mas não tem faltado leito de UTI", disse. "E se estiver faltando, [é porque] está faltando planejamento por parte dos interessados. Porque o governo não mede esforços para liberar leitos de UTI" disse em vídeo. 

REVOLTA

A fala foi suficiente para gerar revolta em gestores municipais e estaduais, fazendo o presidente da FNP se manifestar. Na rede social, Jonas citou os impostos que Bolsonaro afirma que repassou, e indicou os pacientes que já morreram esperando por leitos. 

"Jair Bolsonaro, esse recurso não é federal, estadual ou municipal, é dinheiro do povo brasileiro", disse. "Sugiro que visite hospitais e leia os relatórios da Fiocruz, do próprio governo federal. Existe sim uma comprovada e flagrante falta de leitos no país. Já temos reconhecimentos oficiais de brasileiros que morreram à espera de leitos, por desassistência", afirmou. 

Você viu?

Por fim, Jonas disse que as declarações como a do presidente induzem a comportamentos "temerários", e pediu que a presidência assuma seu papel de coordenação e combate à doença. 

"Declarações como essa, presidente, atrapalham muito e induzem comportamentos temerários. Os municípios estão fazendo sua parte. É urgente que a presidência da República assuma seu papel de coordenação nacional da pandemia", disse. 

CENÁRIO

No mês passado, segundo o governo estadual, mais de 50 cidades do estado atingiram 100% de ocupação de leitos. Entre elas municípios da região de Campinas, como Indaiatuba, Vinhedo, Artur Nogueira, Jaguariúna, Paulínia, Pedreira, Sumaré e Valinhos. 

Ontem (2) em Campinas, 112 pacientes aguardavam na lista de espera por uma vaga na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários