Comércio de Campinas tem movimento intenso em 1º dia útil da reabertura
Reprodução: ACidade ON
Comércio de Campinas tem movimento intenso em 1º dia útil da reabertura

O movimento de consumidores foi intenso no primeiro dia útil da reabertura do comércio de rua em Campinas nesta segunda-feira (19). O setor estava fechado devido ao agravamento da pandemia de Covid-19 desde o início de março.

A fase de transição do Plano São Paulo de flexibilização da quarentena - que começou ontem em todas as cidades paulistas - permitiu a abertura controlada do comércio, das 11h às 19h, com capacidade de 25% (veja regras abaixo).

A NOVA VOLTA

Por volta de 11h10, a principal rua do comércio de Campinas, a 13 de Maio, estava com um fluxo intenso de consumidores no calçadão. Dentro das lojas, no entanto, não houve o registro de aglomeração de pessoas - muitos comércios, inclusive, ficaram vazios durante parte da manhã.

"A venda por drive-thru ajudou, mas estou muito confiante de que o pessoal está em casa há muito tempo e vai ter que renovar o guarda-roupa, trocar os calçados. Acredito que, pelo menos, uma expectativa de 30% a 40% do público vá aparecer para fazer as compras que deixou de fazer no período (de fechamento)", disse um lojista.

Para outro comerciante, o horário de abertura - atualmente às 11h - deveria ser mais cedo. "A partir das 11h fica tarde. Poderia ser às 9h. A gente ficou parado esse tempo inteiro e perdemos de ganhar dinheiro", afirmou.

NOVA FASE

A abertura do comércio foi permitida pelo governo estadual após uma melhora nos índices da pandemia de covid-19 visto pelo Centro de Contingência. Na última semana, o secretário de Saúde do estado Jean Gorinchteyn afirmou que era o segundo período consecutivo de quedas em internações nos hospitais do estado.

"Baixamos 10% o número de internações. E se compararmos com as duas últimas semanas tivemos queda de 17,4%", disse.
"O Centro de Contingência permitiu um nível transição de atividades que estavam suspensas, entendendo que a sociedade tem necessidades. É preciso que todos sobrevivamos. Nesse sentido que tomamos essa decisão", afirmou o coordenador do Centro, Paulo Menezes.

Você viu?

COMPRAS

Uma das consumidoras que esteve hoje na 13 de Maio afirmou que fica mais fácil comprar os produtos quando o comércio está aberto. "Olhar na porta não é tão bom como a gente entrar, olhar, pegar na mercadoria. Achei bom assim. Nada como entrar na loja e escolher", disse.

"Estava precisando, a gente sabe do problema da pandemia, de tudo isso que está acontecendo. Mas o comércio também precisava voltar a abrir e as pessoas poderem comprar o que precisa. E isso girar o capital e todos poderem trabalhar", disse outro cliente.

FASE DE TRANSIÇÃO

A fase de transição está programada para duas semanas e envolve duas etapas de abertura. A primeira, nesta semana, é a abertura do comércio e a permissão de cultos religiosos.

Na próxima semana, no sábado, dia 24, haverá a liberação do setor de serviços que envolve restaurantes, academias e salões de beleza. Ainda durante a fase de transição o toque de recolher vai ser mantido, assim como o teletrabalho para atividades administrativas.

O escalonamento da entrada e saída de atividades (comércio, serviços e indústrias) também é uma regra única para todo o estado.


VEJA REGRAS DA NOVA FASE DE TRANSIÇÃO

18 A 23 DE ABRIL

- Atividades comerciais (11h às 19h)

- Atividades religiosas ( das 6h às 20h com restrições)

24 a 30 DE ABRIL

- Atividades comerciais (11h às 19h)

- Atividades religiosas (com restrições)

- Restaurantes e similares (11h às 19h) - Função de bares não pode ser desempenhada, apenas se servir refeições e funcionar como restaurante

- Salão de beleza e barbearia (11h às 19h)

- Atividades culturais (11h às 19h)

- Academias (por 8 horas entre 6h e 20h)

REGRAS GERAIS

- 25% da capacidade de ocupação do estabelecimento e aplicação de protocolos sanitários

- Toque de Recolher das 20h às 5h

- Teletrabalho para atividades administrativas não essenciais

- Escalonamento do horário de entrada e saída de atividades do comércio, serviços e indústrias

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários