Dário Saadi (Republicanos), prefeito de Campinas.
Reprodução/Prefeitura de Campinas
Dário Saadi (Republicanos), prefeito de Campinas.


Os prefeitos que integram o Conselho de Desenvolvimento da RMC (Região Metropolitana de Campinas) aprovaram, em reunião virtual realizada na manhã desta sexta-feira (23), a compra de testes de antígeno, EPIs (equipamentos de proteção individual) e insumos (com exceção de medicamentos) usando os recursos do Fundocamp (Fundo de Desenvolvimento Metropolitano de Campinas).  

O Fundocamp é um órgão atrelado à Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), e atualmente, dispõe de aproximadamente R$ 18 milhões, fruto do superávit registrado desde a criação da agência que recebe contribuição dos municípios e do Estado. 

Na próxima terça-feira (27) o Conselho de Desenvolvimento,  colegiado que reúne os 20 chefes do poder Executivo da RMC,  se reúne novamente, de forma presencial, na Prefeitura de Campinas, para sacramentar a ação de enfrentamento à pandemia.

A DECISÃO

O encaminhamento para a compra dos testes, dos insumos e dos EPIs saiu após reunião da Câmara Temática da Saúde, realizada na última segunda-feira, onde os secretários municipais apresentaram as demandas dos municípios.  

Você viu?

Ao contrário dos testes rápidos de anticorpos, que podem mostrar quando uma pessoa teve Covid-19, mas que geralmente apresentam resultados negativos durante os estágios iniciais de infecção, os testes rápidos de antígeno são mais precisos para determinar se alguém está infectado. O teste pode ser utilizado na atenção primária, promovendo rápido isolamento dos pacientes, evitando uma propagação maior. 

"Todos os municípios precisam deste teste e ele ajuda não apenas no monitoramento, mas no rápido tratamento", disse o prefeito de Hortolândia, José Nazareno Gomes.  

"Enquanto a maioria da população não estiver vacinada, teremos pessoas contaminadas o tempo todo e a aquisição destes testes vão ajudar no controle da doença e no monitoramento destes pacientes", enfatizou Gustavo Reis, presidente do Conselho. 


Além dos testes, o recurso será utilizado para compra de insumos (com exceção de medicamentos) e EPIs, como aventais, máscaras, luvas e gorros para os profissionais da área da saúde. 

"Esse recurso do Fundocamp é fruto do superávit registrado anualmente pela agência desde a sua criação. Houve essa solicitação por parte dos prefeitos, nós discutimos o melhor objeto dentro da Câmara Temática da Saúde e agora a utilização deste montante foi aprovada pelos chefes do Poder Executivo. Na terça-feira, sacramentamos a compra perante o Conselho de Desenvolvimento e as prefeituras já poderão iniciar as suas licitações", explicou Benjamim Bill Vieira de Souza, diretor-executivo da Agemcamp.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários