Polícia Civil investiga suspeita golpe contra haitianos em Campinas
Reprodução: ACidade ON
Polícia Civil investiga suspeita golpe contra haitianos em Campinas

A Polícia Civil investiga uma agência de Campinas suspeita de aplicar golpes contra um grupo de haitianos. As passagens e vistos contratados pelos imigrantes não foram entregues pela empresa, e os passaportes das vítimas só foram recuperados com a ajuda da Guarda Municipal nesta segunda-feira (31). 

Segundo a polícia, os documentos dos haitianos estavam há meses com a agência que prometia ajudá-los a viajar para a Guatemala. As vítimas moram em Sorocaba e, devido à crise econômica no Brasil, decidiram há cinco meses viajar para outro país para tentar uma vida melhor. 

Um deles está no Brasil há quatro anos e, segundo ele, o salário que recebe em uma fábrica não tem sido suficiente para manter a família no país. "Eu tenho dois filhos. É difícil, eu quero viajar para outro país para tentar outra vida". 

Após cinco meses de negociação com a agência, os dois marcaram um encontro com o representante da empresa na tarde desta segunda-feira, na rodoviária de Campinas. O homem facilitaria a ida deles para a Guatemala. 

No entanto, os cinco vistos e passagens áreas prometidos pela agência não foram entregues. "Depois de cinco meses, ligo pra ele e nunca atende. Só falam vai dar, vai dar, mas nunca dá". 

GM FOI ACIONADA

Ao perceberam que teriam caído em um golpe, os haitianos acionaram uma equipe da Guarda Municipal que passava pela região da rodoviária. 

Você viu?

"Eles tinham um encontro marcado, parece que para pagar por mais um serviço que não havia sido feito a respeito desses passaportes. E, no momento da entrega, da troca dos passaportes por dinheiro, a gente conseguiu abordar o indivíduo, que estava com os passaportes deles já há seis meses", explicou a guarda Patrícia Santos Ramos. 

Um dos haitianos já havia depositado R$ 5 mil à agência, enquanto o outro depositou 700 dólares americanos. Os valores foram transferidos em nome de Jean Lucson Valentin e, segundo a polícia, esse é um dos donos de agência, responsável por regularizar os passaportes dos estrangeiros antes das viagens. 

Ainda segundo a GM, o homem alegou que havia tentado regularizar a situação dos haitianos, mas que não tinha sido possível. Disse ainda que faria a devolução do dinheiro, mas não naquele dia. 

À EPTV Campinas , o homem negou que iria aplicar um golpe. "A culpa não é minha. A culpa é desse vendedor, e eu vou dar para ele mais ou menos dez dias para devolver esse dinheiro", disse o suspeito. 

O caso foi apresentado no 1º Distrito Policial de Campinas, onde foi registrado o boletim de ocorrência e recuperado os passaportes. A Polícia Civil deu um prazo de dez dias para o funcionário da empresa apresentar a documentação da agência, que estaria localizada em Campinas. Ele foi liberado em seguida. 

Já os haitianos retornaram para Sorocaba e aguardam a devolução do dinheiro investido na agência.

"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários