Campinas autoriza estudo para implantação de modal ferroviário
Reprodução: ACidade ON
Campinas autoriza estudo para implantação de modal ferroviário

A Prefeitura de Campinas publicou no Diário Oficial desta segunda-feira (14) a autorização para que duas empresas e um consórcio desenvolvam estudos para a implantação de um modal ferroviário urbano, de 18 quilômetros, que pode funcionar entre o Pátio Ferroviário de Campinas, no Centro, e o Aeroporto Internacional de Viracopos.

As selecionadas foram a BYD do Brasil, o Instituto para o Desenvolvimento dos Sistemas de Transporte (Idestra) e o consórcio formado pela TS Infraestrutura e Engenharia S/A, Aerom Sistemas de Transportes S.A, FBS Construção Civil e Pavimentação S.A e a JOFEGE - Pavimentação e Construção Ltda.

As propostas para o desenvolvimento dos estudos foram apresentadas pelas empresas após a Prefeitura publicar, em 1º de abril, o edital de Procedimento de Manifestação Privada de Interesse Público para implantação e operação do ramal. 

Para o prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), a implantação desse modal é muito importante para o desenvolvimento da cidade. "Pedi agilidade no processo e espero que o estudo também seja concluído com rapidez. Esse projeto beneficiará toda a Região Metropolitana de Campinas", afirmou.   

As empresas deverão apresentar, no prazo máximo de 15 dias, o Plano de Trabalho com o detalhamento das atividades que pretendem realizar e a indicação do valor do ressarcimento pretendido pelo estudo.  

Você viu?

COMO SERÁ 

Conforme a publicação, os selecionados terão 90 dias para apresentar os estudos, projetos, levantamentos, investigações e estudos para modelagem técnica, operacional, econômico-financeira e jurídica. Uma comissão avaliará o melhor projeto que poderá ser utilizado no todo ou em parte - na elaboração de editais, contratos da licitação para a concessão da construção e operação do sistema.

"O interesse no projeto mostra a viabilidade da implantação desse ramal. Os estudos irão subsidiar a modelagem para a implantação e operação, que poderá ser uma parceria público-privada (PPP) ou concessão", disse o secretário municipal de Transportes, Vinicius Riverete.

Caso o estudo de uma das empresas seja selecionado pelo Município, mas ela não saia vencedora da licitação para a implantação e operação do ramal ferroviário, a Prefeitura deverá considerar como valor total do estudo a ser ressarcido pelo licitante ganhador.  

HISTÓRICO  

De acordo com a Prefeitura, o chamamento público feito em abril ocorreu após a empresa chinesa BYD do Brasil propor a realização de estudos técnicos para implantar e operar em Campinas o ramal com o SkyShuttle, primeiro veículo 100% elétrico de roda de borracha, que percorre uma pista elevada, com sistema de condução automatizado.

Diferente de seu sistema Skyrail, um monotrilho suspenso e que será implantado na linha 17-Ouro do metrô de São Paulo e na Região Metropolitana de Salvador, o SkyShuttle, também elevado, trafega sobre dois trilhos, como uma espécie de VLT com pneus. Esse sistema está sendo proposto pela BYD na PMI aberta pelo governo do Espírito Santo, para um ramal ligando os municípios de Serra e Vitória.


Conforme a proposta da empresa chinesa, os trilhos podem ser construídos em áreas lindeiras ou canteiros centrais e inseridos em áreas urbanas, e na operação os custos de mão de obra são consideravelmente reduzidos com tecnologias como partida automática, ativação autônoma, entre outros itens.

"É o primeiro passo de um importante projeto para a Região Metropolitana de Campinas, que fará a ligação, por meio de modal ferroviário, do Centro da cidade à região do Campo Belo e ao Aeroporto Internacional de Viracopos", disse o prefeito Dário Saadi. Agora, os estudos irão indicar se o modelo mais viável será de parceria público-privada (PPP) ou concessão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários