Número de estupros registrados em Campinas é o maior desde 2018
Reprodução: ACidade ON
Número de estupros registrados em Campinas é o maior desde 2018

O número de casos de estupros registrados em Campinas nos primeiros seis meses deste ano é o maior desde 2018. O levantamento foi feito a partir dos dados da SSP (Secretaria de Segurança Pública) de São Paulo, divulgados nesta sexta-feira (23) pela pasta.

De acordo com os dados, foram 110 casos de estupro e de estupro de vulnerável de janeiro a junho de 2021. Em 2020 e 2019, o número foi menor para o mesmo período, perdendo apenas para o registro de 2018 - 155 na época (veja números abaixo). 

A delegada titular da 1ª DDM (Delegacia da Mulher) de Campinas, Ana Carolina Bacchi, orientou sobre alguns cuidados que podem ser tomados e também o que configura o estupro (leia abaixo).

DADOS
Janeiro a junho


2021
Total: 110
Estupro: 31
Estupro de vulnerável: 79

2020
Total: 94
Estupro: 34
Estupro de vulnerável: 60

2019
Total: 102
Estupro: 31
Estupro de vulnerável: 71

2018
Total: 155
Estupro: 67
Estupro de vulnerável: 88

O QUE FAZER

A delegada da 1ª DDM (Delegacia da Mulher) de Campinas explicou que as mulheres precisam estar atentas à alguns cuidados, principalmente se ela estiver sozinha.

"É importante que a vítima evite lugares ermos e sem iluminação. Além disso, a vítima não deve ingerir nenhuma bebida de pessoas estranhas. E pra se proteger é sempre importante compartilhar a localização do seu trajeto com algum familiar ou amigo, marcar um horário de chegada e avisar alguém", explicou.

SE ACONTECER

Ana Carolina explicou ainda que caso aconteça o estupro, o ideal é procurar atendimento médico e em seguida registrar a ocorrência o mais rápido possível. O registro pode ser feito presencialmente na delegacia ou por meio da delegacia eletrônica.

"Vale lembrar que o estupro acontece não só quando há penetração mas também em casos de outros atos libidinosos não consentidos. E é essencial que a pessoa tenha em mente que a ela nunca tem culpa. Às vezes a vítima acha que a culpa é dela e muitas vezes fica com vergonha de registrar a ocorrência. É de extrema importância que todos esses casos sejam comunicados pra que seja iniciada uma investigação pela Delegacia da Mulher", concluiu.

OUTROS NÚMEROS

Na contramão do número de casos de estupro, os homicídios dolosos em Campinas tiveram o menor número para o primeiro semestre desde 2016. Segundo os dados da SSP, entre junho e julho de 2021 foram 57. Antes, o menor número havia ocorrido foi no mesmo período de 2016.

Já nos primeiros seis meses do ano passado foram 75 casos. Vale lembrar que homicídio doloso é aquele quando há intenção de matar.

Outro índice que diminuiu foi o total de roubos na comparação entre os primeiros semestres de 2020 e 2021. Foram 2.492 neste ano contra 2.516 ano passado.

NA REGIÃO

A região de Campinas terminou o mês de junho zerando os casos e vítimas de latrocínios, de acordo com os dados divulgados hoje.  Além disso, após três registros de latrocínios com uma vítima cada no sexto mês do ano passado, o indicador ficou zerado em junho de 2021. É a quarta vez na série histórica, iniciada em 2001, que não há registro desse crime no período.

Os roubos de cargas, apesar de 39 registros em junho de 2020, ficaram estáveis, com a mesma quantidade contabilizada. Já os estupros seguiram a tendência de queda e recuaram de 60 para 41 boletins registrados.

No mês passado foram registrados dois casos e duas vítimas a mais de mortes intencionais, se confrontado a junho de 2020. Ambos os indicadores passaram de 16 para 18 na comparação dos dados mensais.


"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários