Creches de Campinas não terão presença obrigatória
Reprodução: ACidade ON
Creches de Campinas não terão presença obrigatória

A retomada das aulas presenciais obrigatórias em toda a rede municipal de Campinas acontece a partir da próxima quarta-feira, 3 de novembro. Apesar da definição, a medida não será valida para as crianças em creches com idade inferior a 4 anos.

Leia Também

Nas unidades de Educação Infantil, o regime de rodízio e o término antecipado das aulas serão retirados a partir da próxima semana. Já a presença de alunos dos primeiros agrupamentos continua a critério dos pais. É o que explicou o secretário de Educação, José Tadeu Jorge, em entrevista ao ACidade ON.

"Agrupamentos I e II não têm obrigatoriedade de aulas. A Constituição Federal exige a partir dos 4 anos", explicou, citando que a rotatividade de alunos e o período de aula mais curto serão retirados.

"Não terá mais rodízio, vamos receber todos e a exigência de distanciamento de 1 metro não existe mais. Todos os protocolos continuam. Menos o distanciamento. Com isso, é possível ter todos na sala de aula", completou Tadeu. Atualmente, as unidades fazem ainda rodízio de turmas entre alunos e encerram o período mais cedo.

COMO VAI FICAR

A retomada obrigatória das aulas nas creches gerou questionamento de diversas famílias desde o anúncio feito pelo governo estadual no começo deste mês , quando foi citado o retorno obrigatório às aulas presenciais nas escolas públicas e particulares no Estado.

Segundo o governo paulista, apenas crianças e adolescentes com restrições médicas poderão ficar em casa e ter aula on-line. Até então, por causa da pandemia, mesmo com a retomada do ensino presencial, a presença de alunos era facultativa.

Em Campinas, a volta às aulas presenciais será obrigatória para todos os alunos da rede pública municipal de ensino de Campinas a partir de 3 de novembro - com exceção das crianças de até 4 anos.

Segundo a Prefeitura, nesse mês as escolas passam por processo de preparação e adequação para poderem receber todos os alunos de forma presencial. A implantação da medida se dará de forma escalonada, e conforme orientação do governo paulista.

Na rede municipal, 67,2 mil alunos estão matriculados em 208 escolas. Desde abril, as unidades funcionam em esquema de rodízio.

ADESÃO

Questionado sobre a adesão do ensino presencial, o secretário de Educação também afirmou que já é notável a maior adesão e presença de alunos na Educação Infantil. O índice, que era de 10% a 15% em maio, quando o retorno gradual foi iniciado, passou para 50% em agosto e deve ser ainda maior agora.

"De fato a melhora na pandemia gerou mais confiança e a família ficou mais segura. Nós estamos com adesão aproximadamente de 50%. Varia de escola pra escola e de região para região", explicou.



Ao todo, a secretaria municipal de Educação de Campinas recebeu neste ano 7.572 cadastros de famílias interessadas em garantir vagas da Educação Infantil. O total é 28,25% maior do que o registrado em 2020, que teve 5.904 inscrições.

Já sobre a capacidade de alocar todos os 7,5 mil interessados, o secretário de Educação, José Tadeu Jorge, diz ter vagas suficientes, mas reconhece que nem todas estarão disponíveis nos locais desejados pelos pais ou responsáveis.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários