Doria recua e mantém obrigação de máscara em locais abertos
Reprodução: ACidade ON
Doria recua e mantém obrigação de máscara em locais abertos


O governo do Estado de São Paulo decidiu nesta quinta-feira (2) recuar e manter a obrigação do uso de máscara em locais abertos no Estado.  O governo previa uma flexibilização da medida a partir do próximo dia 11 , no entanto, em nota, afirmou que atendeu a recomendação do Comitê Científico para manter a exigência em espaços abertos. A nova variante do coronavirus pesou na decisão (leia mais abaixo).

Em Campinas, a secretaria de Saúde afirmou que vai seguir a decisão. " Com a ameaça da nova variante ômicron, o prefeito Dário Saadi entende que esta é a decisão mais prudente", disse a pasta.

REAVALIAÇÃO 

Na última terça-feira (30), após a confirmação de dois casos da variante ômicron da covid-19 em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) pediu ao Comitê Científico do Governo do Estado uma nova avaliação sobre uso de máscaras em locais abertos. 

"Decidimos adotar essa medida por prudência com o cenário epidemiológico no Estado. Todos os números demonstram que a pandemia está recuando em São Paulo, mas vamos optar pela precaução. O nosso maior compromisso é com a saúde da população", disse Doria.

Leia Também

Na recomendação feita ao Governo de São Paulo, o Comitê Científico apontou que há incertezas quanto ao impacto da variante ômicron às vésperas do fim de ano . Os períodos de Natal e do Réveillon costumam provocar grandes aglomerações, o que facilita a transmissão de doenças respiratórias como a Covid-19.

São Paulo foi o primeiro estado a instituir um Centro de Contingência da Covid-19 no país, em 26 de fevereiro de 2020, imediatamente após a confirmação do primeiro caso da doença no Brasil. Além disso, São Paulo foi um dos primeiros estados a exigir o uso de máscara e a implantar a quarentena. 

FESTAS DE FIM DE ANO

Na quarta-feira, o governador João Doria defendeu que prefeitos paulistas suspendam festas de Réveillon no Estado. Com a chegada da variante ômicron e a quarta onda da covid-19 na Europa, ao menos 14 capitais no Brasil já desistiram de eventos públicos no fim do ano. A cidade de São Paulo, porém, ainda mantém o planejamento da festa.  

"Vamos no caminho da cautela e do zelo para proteger vidas. Não era hora de fazer festas de réveillon", disse Doria, em viagem oficial a Nova York para encontro com investidores organizada pela InvestSP. "Embora seja decisão dos municípios, não me parece a hora adequada", acrescentou. 

VACINAÇÃO

Em São Paulo, a vacinação contra a covid-19 prossegue em ritmo acelerado, com os maiores percentuais de população imunizada no país. Nesta quinta, o Vacinômetro registra 78 milhões de doses aplicadas nos 645 municípios paulistas, com 76,15% da população com esquema vacinal completo e 84,7% protegida por ao menos uma dose de imunizante.


"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários