Homem foi preso em Sumaré com dinheiro em espécie.
Divulgação PF
Homem foi preso em Sumaré com dinheiro em espécie.


A Polícia Federal de Campinas cumpre nesta terça-feira (15) mandados na região de Campinas contra o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. As ações fazem parte de duas megaoperações simultâneas, que foram deflagradas na manhã de hoje pela Polícia Federal do Rio de Janeiro.  

Durante a manhã, mandados foram cumpridos em Campinas e Sumaré. Em Sumaré, um homem foi preso com grande quantidade de dinheiro em espécie. A quantia ainda não foi especificada.

Leia Também

Segundo os policiais, o homem foi encontrado com maços de notas de R$ 100. O suspeito e os materiais apreendidos foram encaminhados para a sede da Polícia Federal em Campinas. 

Leia Também

MEGAOPERAÇÕES

As megaoperações foram deflagradas hoje pela Polícia Federal do Rio de Janeiro. Cerca de 200 policiais federais, além de membros do MPF e auditores fiscais, cumprem 86 mandados judiciais, com o objetivo de desarticular facções voltadas ao tráfico internacional de drogas e a lavagem de dinheiro.

A ação é conjunta com a PF de outros estados e também com forças policiais de Paraguai, Espanha e Emirados Árabes (Dubai). Os mandados são cumpridos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso.

As ações foram chamadas de "Turfe" e "Brutium".

Operação Turre

Na operação Turfe, os policiais federais cumprem, com participação de auditores fiscais da Receita Federal e membros do GAECO/MPF, 20 mandados de prisão e 30 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 5ª Vara Federal Criminal, nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso, além de medidas de cooperação policial no Paraguai, Espanha e Emirados Árabes (Dubai).

Segundo a PF, as investigações, que já duram cerca de 18 meses, desvendaram a existência de um grupo responsável pela aquisição de drogas em países produtores (Bolivia e Colômbia), a internalização do entorpecente, a logística de transporte e armazenamento em território nacional e ainda a exportação dos produtos ilícitos ao mercado europeu.

Ao todo foram apreendidas, ao longo da investigação, mais de 8 toneladas de cocaína, tanto no Brasil, quanto na Europa destino final do entorpecente. Além disso, mais de R$ 11 milhões de reais foram arrecadados dos criminosos, ainda na fase sigilosa, antes da deflagração.

No campo internacional, com a participação do DEA (Drug Enforcement Administration) e da EUROPOL, as autoridades brasileiras e estrangeiras atuaram em cooperação.

O nome da operação, segundo a corporação, faz referência a uma das formas de lavagem de capitais da organização criminosa que é a aquisição e negociação de cavalos de corrida.

Operação Brutium

Na operação Brutium, os policiais federais cumprem 19 mandados de prisão e 17 de busca e apreensão judiciais, expedidos pela 10ª Vara Federal Criminal, nos estados do Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

A investigação, iniciada há dois anos, tem por objetivo combater o tráfico internacional de cocaína perpetrado por integrantes de organização criminosa internacional que se aliaram as duas maiores facções brasileiras para enviar cocaína oriunda da Bolívia e Peru para diversos países na Europa.



A investigação, que contou com a colaboração das forças de segurança da França, Marrocos, Bélgica, Espanha, além da agência antidrogas americana, o DEA (Drug Enforcement Administration), revelou a ação de membros de um grupo criminoso atuante na América Central e Europa em território nacional, e resultou na apreensão de mais de duas toneladas de cocaína no Brasil, na Europa e na África, e R$ 3,5 milhões de reais.

O nome da operação faz referência a integrantes da organização criminosa No Limit Soldiers, originária de Curaçao, no Caribe, e com ramificações em outros países da América Central e na Holanda, composta, em sua maioria, por traficantes de drogas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários