Unidade do Vitória Hotel em Indaiatuba (Foto: Divulgação)
Unidade do Vitória Hotel em Indaiatuba (Foto: Divulgação)

A rede hoteleira da RMC (Região Metropolitana de Campinas) atingiu em janeiro deste ano ocupação de 43,95% - índice superior ao período pré-pandemia. Apesar da alta, o aumento de preços e custos extras preocupam o setor.

O levantamento é do Campinas e Região Convention & Visitors Bureau (CRC&VB), que representa a cadeia de hotéis e empresas que atuam na região.

De acordo com a entidade, o avanço, positivo, ainda é insuficiente para a retomada do fôlego financeiro, já que a diária média registrada no mês passado foi de R$ 230,00 - abaixo dos R$ 236,00 de 2019 -, sem considerar a inflação do período, além da pressão provocada pelo aumento dos custos.

OCUPAÇÃO

O índice de ocupação de quartos no primeiro mês de 2022 supera o do mesmo mês de 2019 (42,65%), quando não se falava na pandemia.

Além disso, os dois primeiros meses do ano marcados pelas férias escolares e Carnaval costumam ser tradicionalmente mais fracos para a hotelaria regional, que tem seu foco nos eventos corporativo, com a demanda aumentando a partir de março.

RETOMADA

A elevação da ocupação média mostra uma retomada gradativa do turismo de negócios na RMC, se comparado com 2021, quando a taxa média ficou em 25%, quando ainda estava em vigor diversas medidas restritivas e redução da taxa de capacidade dos hotéis, salas de eventos e centros de convenções.

AVALIAÇÃO

Segundo Vanderlei Costa, presidente do CRC&VB, se por um lado a elevação da taxa de ocupação vem reagindo, por outro o valor médio das diárias ainda preocupa muito o setor hoteleiro.

"Levando-se em conta apenas a inflação acumulada dos últimos dois anos, a diária ideal deveria estar em torno de R$ 295,00 (contra os atuais R$ 230,00)", pontua. "Os custos das matérias-primas, insumos, Alimentos & Bebidas, serviços, mão-de-obra e alta de taxas, impostos e serviços controlados pelos governos impedem a recuperação financeira do setor, já que a tarifa defasada pressiona o caixa dos hotéis, bastante afetados com a pandemia e a queda de público", explica.

Além dos aumentos de custos com os itens acima, os estabelecimentos do setor também tiveram que arcar com custos extras para o combate à pandemia, como implantação de protocolos sanitários e compra de produtos.

COMPRA DE MATERIAIS


No levantamento mensal junto aos associados, o CRC&VB constatou ainda que o setor também enfrenta dificuldades para compra e reposição de materiais como enxovais, com a redução da produção industrial e aumento dos produtos, levando diversos setores a terceirizar este serviço.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários