Método desenvolvido pela Unicamp e Unifesp possibilita diagnóstico pela análise de metabólitos em amostras sanguíneas.
Reprodução/Unicamp
Método desenvolvido pela Unicamp e Unifesp possibilita diagnóstico pela análise de metabólitos em amostras sanguíneas.


Leia Também

Um estudo feito pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em parceria com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), deve ajudar em diagnósticos mais precisos de pessoas dependentes químicas que têm sintomas semelhantes aos de doenças mentais.

Entre os sintomas estão aqueles graves, como alucinações e delírios. Isso porquê foram identificadas uma série de metabólitos - uma substância produzida durante o metabolismo - em exames de sangue de pacientes com esquizofrenia e usuários de crack. Essa relação é o que pode jogar clarear no diagnóstico de dependentes químicos com delírios e alucinações.

"O uso de um composto estranho, como o crack, provoca uma resposta biológica que afeta todo o nosso metabolismo. Essas alterações podem ser vistas na mudança em concentração de um ou outro metabólito. O que fizemos foi mapear esses metabólitos séricos para entender a base molecular da dependência de crack", afirmou Ljubica Tasic, professora do Departamento de Química Orgânica do IQ (Instituto de Química) da Unicamp.

DIAGNÓSTICO

Atualmente, o diagnóstico da esquizofrenia é baseado na análise clínica do psiquiatra e depende da capacidade do paciente em relatar os sintomas.

Já identificar o abuso da droga em usuários de crack ativos pode ser feito com exames básicos, mas, em abstinência, os biomarcadores da droga se tornam indetectáveis no corpo. Nessa fase, as alterações de comportamento podem ser confundidas com episódios psicóticos.

"Com o método pudemos identificar se a alteração ocorre pelo uso do crack ou por se tratar de um paciente com esquizofrenia, mesmo após o período detectável da droga. Isso é importante, pois a medicação para cada caso é diferente", diz Mirian Hayashi, professora no Departamento de Farmacologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp.

ESQUIZOFRENIA E TRANSTORNO BIPOLAR

A metodologia já foi aplicada na diferenciação da esquizofrenia e outra doença mental grave, o transtorno bipolar. Os resultados positivos na identificação de um grupo de biomarcadores específicos levaram à concessão da patente. O mesmo aconteceu nos estudos com usuários de crack, motivando o pedido de um certificado de adição para a patente.

O estudo ainda apresenta algumas limitações. A pesquisa não explorou, por exemplo, a relação do perfil metabólico com outros fatores, como tabagismo, hábitos alimentares e sedentarismo, que podem afetar os resultados. Serão necessárias novas investigações para se chegar a um grupo de marcadores diagnósticos consolidado.

PRIMEIRA VEZ

Essa é a primeira vez que a espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear foi usada em usuários de drogas, segundo os pesquisadores. As amostras foram coletadas pelo Departamento de Psiquiatria da Unifesp, preparadas no Departamento de Farmacologia e enviadas para Campinas, onde passaram pelas análises no Departamento de Química Orgânica do IQ da Unicamp.

Na primeira fase, a análise do perfil metabolômico das amostras comparou os resultados dos exames de sangue em indivíduos diagnosticados com esquizofrenia e o grupo controle de pessoas saudáveis. Em seguida, os pesquisadores analisaram os indivíduos dependentes de crack e o grupo controle. Parte dessa pesquisa foi publicada no Journal of Proteome Research da American Chemical Society (ACS). Por fim, o grupo aferiu as diferenças entre os pacientes com esquizofrenia e os usuários de crack.

Ao menos seis metabólitos-chave foram identificados no processo e as análises mostraram sua alteração em todas as populações estudadas. "Uma vez identificada a possibilidade de diferenciação baseada nesse grupo de metabólitos, o ideal seria analisá-los separadamente em um número muito maior de pacientes", aponta Hayashi.



SAÚDE PÚBLICA

A dependência química do crack é considerada um problema de saúde pública. O diagnóstico preciso pode garantir maior assertividade no tratamento e, aliado ao trabalho clínico, evitar que o paciente registre novos surtos. Essas manifestações intensas são prejudiciais e tóxicas para o cérebro, causando perda cognitiva.

"Novos estudos podem contribuir para uma melhor compreensão bioquímica dos efeitos do crack nos indivíduos. Entendendo a influência da droga no corpo poderemos, a longo prazo, acompanhar efeitos de fármacos no tratamento aplicado", finaliza Tasic.

Por enquanto, não existe exame aprovado para uso clínico. A tecnologia precisa passar por outras fases antes de chegar ao mercado. Ela depende, agora, de parcerias para avançar nos estudos clínicos. As negociações para o licenciamento são feitas com apoio da Inova Unicamp e os inventores participam ativamente do processo de transferência de tecnologia. (Com informações do Jornal da Unicamp)

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários