Diesel: Alta eleva em R$ 4 mi custo do transporte público de Campinas.
Divulgação
Diesel: Alta eleva em R$ 4 mi custo do transporte público de Campinas.



A forte alta que elevou o preço do diesel nas refinarias, no começo deste mês, afetou diretamente o custo mensal operacional do sistema de transporte de Campinas. O aumento estimado é de R$ 4,1 milhões. O valor foi informado pela Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento Econômico de Campinas) a pedido do acidade on Campinas

Segundo a Emdec, o custo mensal do sistema de transporte na cidade, que era estimado em R$ 39,8 milhões, passou para R$ 43,9 milhões - um aumento de 10,28%.

Apesar da alta no custo, a empresa afirmou que manterá o atual valor da tarifa de ônibus, que já havia sofrido um reajuste em janeiro deste ano. O atual valor da tarifa do Bilhete Único Comum em Campinas é de R$ 5,15, um dos mais altos do país. Já o Vale Transporte na cidade custa R$ 5,60. 

VAI MANTER O VALOR

"Vamos manter o valor. A princípio ninguém está pensando em aumento" , afirmou o presidente da Emdec, Vinícius Riverete. 

Atualmente, a Administração Municipal faz um repasse mensal, na ordem de R$ 10,2 milhões, como forma de subsídio, para manter o equilíbrio econômico-financeiro do sistema de transporte público. O repasse é destinado "para não onerar, ainda mais, o valor da tarifa", segundo a Prefeitura. 

Sobre a possibilidade de um aumento no subsídio, o presidente também disse que o valor a princípio não será alterado. 

"As empresas comentaram sobre a possibilidade de aumentar o subsídio repassado, mas a ideia é manter o repasse porque a quantidade de passageiros deve aumentar agora com a retomada econômica", afirmou Riverete.

"Se amanhã o volume de passageiros aumentar, já traz mais equilíbrio e estamos trabalhando para esse aumento de passageiros. Estamos tentando tornar o transporte melhor. Então por isso, não vamos reduzir a frota, nem as linhas ônibus. Tudo está mantido", completou. 

APELO

Na última semana a Prefeitura fez um apelo em reunião da FNP (Frente Nacional de Prefeitos) ao Governo Federal para a aprovação do repasse que destina R$ 5 bilhões ao transporte público de municípios do país. Desse valor, segundo a Emdec, Campinas vai receber cerca de R$ 30 milhões. 

Leia Também

"Com muita luta e esforço, estamos fazendo a nossa parte para não penalizar a população que depende do ônibus. Mas, precisamos da ajuda do Governo Federal, para que seja sensível com esse tema tão importante, que é o transporte público", disse o prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos) durante a reunião, ao citar que a alta nos preços do diesel e de outros itens do transporte público vem impactando nos custos do sistema. 

O projeto destina R$ 5 bilhões da União, de forma emergencial, para financiar a gratuidade de idosos no transporte público em todo o país. O projeto foi aprovado no Senado Federal e o requerimento para que seja apreciado com urgência na Câmara dos Deputados também já foi acatado. 

Leia Também

"Se vier vai ajudar demais. Qualquer ajuda é bem-vinda. A gente precisa somar esforços, e gratuidade é uma coisa importantíssima", disse o presidente da Emdec. 

Como exemplo do impacto do aporte financeiro no sistema de transporte público coletivo de Campinas, em fevereiro de 2022 foram transportados 506.925 idosos (com passagem pela catraca utilizando o Bilhete Único Idoso). 

Considerando o preço da tarifa de R$ 5,15, o custo para o sistema é da ordem de R$ 2.610.664,00. Em um ano, o valor ultrapassa a soma de R$ 31,2 milhões. 

REDUÇÃO DE PASSAGEIROS

Além do aumento no diesel, na reunião, o prefeito citou que a redução de passageiros durante a pandemia interferiu na operação do transporte na cidade. 

"Vários fatores têm interferido e aumentado, significativamente, os custos da operação. Tivemos uma queda na demanda de passageiros, iniciada em 2020, por conta da covid-19, além de outros fatores. E, recentemente essa alta expressiva no preço do óleo diesel. Todo esse contexto provoca um desequilíbrio econômico-financeiro no sistema", indicou.

O AUMENTO

No começo do mês a Petrobrás anunciou o reajuste para o diesel. O preço médio, segundo a estatal, passou de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro, com uma alta de 24,9%. Na prática, no entanto, o preço é ainda maior.

"No último levantamento da ANP (Agência Nacional de Petróleo), os valores do diesel estavam entre R$ 5,299 e R$ 5,587 o litro. Ou seja, entre 3,98% e 4,95% maiores que o valor utilizado no estudo tarifário do novo valor da passagem, que teve reajuste no início de janeiro. Considerando o aumento de 24,9% no combustível, temos o patamar entre R$ 6,618 e R$ 6,978 o valor do litro", disse a prefeitura de Campinas sobre o valor pago do combustível. 


Durante a semana do reajuste, a Associação Nacional das Empresas de Transportes Públicos (NTU) afirmou que o custo das empresas operadoras de transporte coletivo deve aumentar em 7,5%, devido ao impacto do aumento do diesel. 

Segundo a associação, os aumentos teriam que ser repassados ao bolso dos passageiros, caso "não fossem compensados pelo poder público".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários