Drive trhu é uma das saídas adotadas pelos estabelecimentos durante pandemia
Arquvio/Prefeitura de Campinas
Drive-thru é uma das saídas adotadas pelos estabelecimentos durante pandemia


Os bares e restaurantes da Região Metropolitana de Campinas (RMC) registraram 85% de queda no movimento de vendas desde o início da pandemia de Covid-19 , de acordo com levantamento feito pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes ( Abrasel) . Diante do cenário de crise, com os estabelecimentos fechados, as empresas estão comercializando por delivery ou drive-thru, mas o lucro está longe de ser o mesmo de antes.

“Muitos comerciantes estão se reinventando para manter os negócios ativos durante a quarentena, sendo que mais da metade deles jamais havia trabalhado com estes tipos de negócio. Tanto que o delivery apresentou em dois meses um crescimento que era esperado para os próximos dois anos”, avalia Matheus Mason , presidente da Abrasel RMC .

Segundo Mason, 64 dos 340 associados da RMC tentaram obter crédito com instituições financeiras públicas e privadas, mas nenhum dos pedidos foi aceito. “O que as empresas conseguiram foram as linhas antigas, com juros bem mais elevados, com taxas na faixa de 2% a 5% ao mês”, explica o presidente regional.

Leia também: Arte e alimento: famílias do Ouro Verde recebem doações de grupo de fotógrafos

Insegurança

A preocupação é ainda maior para os funcionários destes estabelecimentos . Isso porque os donos de bares e restaurantes pressionam o governo para que a medida que permite a redução da jornada e salários seja prorrogada. O presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, acredita que, se os cortes não forem mantidos, o setor entrará em colapso em junho .

"Se não forem tomadas medidas de renovação já, vamos ter uma segunda onda de colapso. Temos uma bomba-relógio na próxima semana", afirma Solmucci. Para ele, as consequências já tomaram proporção muito maior do que o apresentado pelas projeções.

"O problema é que o cenário que se trabalhava antes era de um fechamento de no máximo dois meses. E já estamos indo para um cenário pior que o pessimista. Se não houver renovação desse prazo para as medidas, teremos um colapso ainda maior do setor. O salário de junho já não está coberto".

    Veja Também

      Mostrar mais