Entregadores se reuniram na Torre do Castelo, em Campinas.
Reprodução/Coletivo de Quebrada
Entregadores se reuniram na Torre do Castelo, em Campinas.


Entregadores de Campinas que trabalham por cadastro em aplicativos aderiram à paralisação nacional da categoria e realizaram um ato na manhã desta quarta-feira (01). Com motos e bicicletas, os profissionais se reuniram na Torre do Castelo, por volta das 10h30, e passaram por outros pontos da cidade, como as avenidas Francisco Glicério e Norte Sul.

O ato nacional foi organizado para reivindicar direitos básicos aos trabalhadores de entrega por aplicativo, que não têm vínculo formal com as empresas para as quais trabalham. Além disso, com a pandemia de Covid-19 , os entregadores passaram a ser expostos a um novo risco.

Leia também: Sem prazo para retomada, Unicamp prorroga suspensão das atividades presenciais

Os organizadores levantam pautas como aumento das taxas, aumento da taxa mínima, fim de bloqueios considerados injustos e auxílio aos entregadores que sofrerem algum acidente de trabalho ou que forem contaminados com o novo coronavírus.


Nas redes sociais, há uma mobilização para que as pessoas avaliem negativamente os aplicativos que fornecem esse tipo de serviço e não façam uso deles nesta quarta. Em Campinas , estudantes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) compareceram ao ato e apoiaram o protesto com faixas.

Posicionamento

A Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (AMOBITEC), que tem Ifood e Uber entre as empresas associadas, publicou uma nota dizendo que os entregadores que participaram dos atos não serão punidos.

A associação alega que, desde o início da pandemia, as empresas adotaram ações como "distribuição gratuita ou reembolso pela compra de materiais de higiene e limpeza, como máscara, álcool em gel e desinfetante, e a criação de fundos para o pagamento de auxílio financeiro para parceiros diagnosticados com Covid-19 ou em grupos de risco. Além disso, os entregadores parceiros cadastrados nas plataformas estão cobertos por seguro contra acidentes pessoais".

Já a Rappi, outra empresa da área, também disse que oferece seguro para acidente pessoal, desde 2019, além de ter afirmado que comunicará, em breve, “novos benefícios”.

    Veja Também

      Mostrar mais