Campinas terá projeto-piloto com oxímetro para paciente acima de 60 anos.
Fernanda Sunega/Prefeitura de Campinas
Campinas terá projeto-piloto com oxímetro para paciente acima de 60 anos.


Moradores de Campinas com mais de 60 anos, sob suspeita ou diagnosticadas com Covid-19 ,  serão monitoradas com o uso de oxímetros , aparelho utilizado para medir a taxa de oxigenação no sangue, a partir de terça-feira (21). A avaliação será feita nas casas de pacientes nas regiões do DIC 3 e DIC 6, com o intuito de encaminhar às enfermarias aqueles que apresentarem índices alarmantes.

Em muitos casos, uma pessoa com Covid-19 pode apresentar falta de oxigênio no sangue, sem se queixar de falta de ar – isso se chama hipóxia silenciosa. Se a taxa de oxigênio estiver abaixo de 95%, o que é um sinal de alerta, os pacientes serão orientados a ir até o centro de saúde para avaliação médica.

“É um projeto que está começando por Campinas, que tem como um dos objetivos esvaziar as UTIs. Não terá custos para a Prefeitura, pois se trata de uma parceria entre a Prefeitura de Campinas, o Instituto Estáter e a Sociedade Brasileira de Infectologia”, explicou o prefeito Jonas Donizette, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (20).

Leia também: Taxa de ocupação em UTIs para covid-19 estabiliza em 86%

Região Sudoeste

O projeto vai começar pelos centros de saúde do DIC 3 e DIC 6 , na Região Sudoeste da cidade. Cada centro de saúde terá 20 oxímetros doados pelo Instituto Estáter. Todas as unidades da rede já possuem oxímetros. O monitoramento será feito pelos Agentes Comunitários de Saúde, do 5º ao 10º dia de sintomas.

“Escolhemos a região Sudoeste porque lá fica o Ouro Verde, hospital municipal de retaguarda Covid, e temos centros de saúde contíguos, com a estrutura que a gente precisava”, disse o secretário de Saúde, Carmino de Souza.

A cobertura dos centros de saúde DIC 3 e DIC 6 atinge cerca de 26 mil habitantes, dos quais 2.302 (8,9%) são maiores de 60 anos.  Nas duas unidades, foram confirmados até agora 338 casos de Covid-19, com 16 óbitos. Destes, 11 (69%) foram em homens e nove (31%) em mulheres. A média de idade dos pacientes que morreram foi de 65 anos.

A previsão é que 16 pacientes dos dois centros de saúde já comecem a receber as visitas nesta terça-feira, 21 de julho.  O projeto-piloto também será aplicado em Curitiba.

    Veja Também

      Mostrar mais