Dario Saadi foi o convidado do iG nesta quinta-feira (30).
ig
Dario Saadi foi o convidado do iG nesta quinta-feira (30).


O portal iG entrevistou nesta quinta-feira (30) o ex-secretário de Esportes e Lazer do governo Jonas Donizette (PSB) em Campinas, Dario Saadi (Republicanos), em mais um episódio da série de lives com pré-candidatos à Prefeitura da cidade. Em conversa com os jornalistas Ricardo Galuppo, Ludmilla Pizarro e Bruno Accorsi, ele destacou a necessidade de investir em recursos humanos para a Saúde , avaliou a situação dos cargos comissionados na administração municipal e manifestou disposição para atender reivindicações de motoristas de transportes de aplicativo .

A entrevista completa com Dario Saadi pode ser vista no  Youtube e no  Facebook .

Ao avaliar o sistema de saúde de administração municipal, Saadi mostrou-se satisfeito com os investimentos feitos na infraestrutura e apontou, que no próximo ano, haverá a necessidade de ampliar a quantidade de médicos e demais profissinais da área.

"Houve um investimento na infraestrutura unidade básica de saúde nos últimos anos. Agora, é hora de dar o próximo passo, é importante você fazer a recomposição de recursos humanos, funcionários, médicos, principalmente, para as unidades básicas. Tivemos um investimento maior na infraestrutura, agora é hora de investir em recursos humanos", disse.

Leia também: Pré-candidato, Tourinho confia que PT pode recuperar espaço em Campinas

Para isso, o pré-candidato do Republicanos propõe uma reavaliação do funcionamento da Rede Mário Gatti, criada em 2017, após o escândalo do Ouro Verde, para administrar as unidades. 

"No caso dos servidores, o que acontece hoje, no Hospital Ouro Verde, é que se a prefeitura fizesse concursos para a contração dos servidores, das equipes, pessoal de apoio e enfermagem, ultrapassaria o limite constitucional dos recursos. Ela teve que fazer essa parceria. Até um tempo atrás, era uma OSS (Organização Social de Saúde) que fazia toda a gestão do Ouro Verde. Agora, através da Rede Mário Gatti, ficou fracionado: você tem OSS, você tem empresas, todas participaram de processo licitatório. É uma questão muito complexa que vamos ter que discutir, se permanece esse formato de Rede Mário Gatti ou se retorna para uma OSS", avaliou.

Comissionados

Dario Saadi também comentou sobre a necessidade se criar uma nova lei com as regulações para a contratação de comissionados. Desde 2015, o atual prefeito Jonas Donizette lida na Justiça com uma ação que classifica como inconstitucional a legislação municipal que criou novos cargos comissionados. O TJ-SP chegou a determinar a demissão desses funcionários, mas uma liminar do STJ suspendeu a decisão.

"O próximo prefeito precisa apresentar uma nova lei de como serão as contratações via cargos em comissão. No momento em que a cidade vai estar no ano que vem é importante que ocorra uma readequação, com uma redução, e deixando claro a qualificação técnica das pessoas. Eu já estou estudando uma nova lei e ,certamente, será uma lei que irá reduzir e exigir qualificação nesses cargos", disse Saadi.

Motoristas de app

O ex-secretário também foi questionado sobre a situação dos motoristas de aplicativo da cidade, que reivindicam melhores condições de segurança. Um dos pedidos desses profissionais é que o uso de placa de identificação, por determinação da Emdec, não seja mais obrigatório.

"Alguns técnicos acreditam que essa placa pode proteger o usuário. A grande maioria dos motoristas acredita que ela acaba facilitando assaltos, roubos e furtos Eu tenho um grupo na área de transporte, estamos discutindo essa questão da placa", afirmou. "Minha equipe técnia está analisando se podemos fazer essa proposta, para indicar se o caminho é legislativo ou de uma norma interna na Secretaria de Transporte, na Emdec", completou.

Saadi também propõe um mapeamento dos lugares onde os motoristas mais correm riscos. "Há um mapeamento junto com a Guarda Municipal, para verificar os principais locais de ocorrência, para fazer um monitoramento mais ostensivo nesses locais onde os motoristas são mais vítimas desse tipo e violência", explica.

    Veja Também

      Mostrar mais