ACidade ON

Moradores da Ocupação Mandela em protesto em frente ao prédio onde mora o prefeito Jonas Donizette, no dia 13 de agosto.
Cedida
Moradores do Mandela em protesto, realizado no dia 13 de agosto, em frente ao prédio do prefeito Jonas.


O MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) encaminhou um oficio à Justiça de Campinas se posicionando contra a reintegração de posse da ocupação Nelson Mandela , localizada próximo ao Aeroporto Internacional de Viracopos.

O prazo judicial para a reintegração de posse era nesta segunda-feira (31), porém, o juiz não se posicionou sobre os pedidos para o adiamento.

Leia também: Retorno das aulas vai priorizar 5º e 9º ano; veja o planejamento

Além do próprio MP-SP, foi juntado no processo a manifestação da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Campinas que se posiciona pela suspensão da reintegração de posse. Como já informado, também existem manifestações da Defensoria Pública e da Prefeitura de Campinas requerendo a suspensão da reintegração de posse.

"Estamos recebendo apoio e solidariedade de todas as regiões do Brasil e também do exterior e gostaríamos de agradecer publicamente. Esse apoio é fundamental para nós", informou a ocupação através de uma nota oficial. 

A OCUPAÇÃO 

A ocupação está atualmente em uma área de 5 mil metros quadrados do terreno (que possui 300 mil), há quase três anos, desde que sofreu em 2017 uma reintegração de posse da antiga área, onde viviam 600 famílias no Jardim Capivari. Na ocasião, aproximadamente 2,4 mil pessoas foram retiradas de suas moradias pela Polícia Militar.

Em 31 de janeiro do ano passado foi assinado um acordo das famílias junto a Prefeitura e o proprietário do local, que estendia a permanência das 108 famílias no terreno localizado na região do Distrito Ouro Verde por mais um ano, prazo que foi estendido e se encerra no próximo dia 31, com pena de multa para as famílias que permanecerem no local. 

    Veja Também

      Mostrar mais