ACidade ON

Fachada do Hospital da PUC-Campinas.
ACidade ON Campinas
Fachada do Hospital da PUC-Campinas.


O estudo da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo grupo Johnson & Johnson foi pausado temporariamente devido a uma "doença inexplicada" em um participante. Os estudos estavam na fase três, já com a aplicação de testes em voluntários.

Em Campinas, o Hospital da PUC é um dos centros de pesquisa para a vacina, e agora também suspendeu o andamento do estudo. O hospital, no entanto, ainda não tinha começado a vacinação, apenas o pré-cadastro de voluntários. Na região estava prevista a aplicação em 1 mil pessoas.

Segundo um documento enviado a pesquisadores externos que executam o ensaio clínico com 60 mil pacientes, sendo 7 mil no Brasil, uma "pausa regulamentar" será cumprida. Com isso, o sistema online usado para inscrever pacientes no estudo foi fechado, e foi convocado o conselho de monitoramento de dados e segurança.


Em nota oficial, a Johnson & Johnsons declarou que "eventos adversos - doenças, acidentes etc - mesmo aqueles graves, são uma parte esperada de qualquer estudo clínico, especialmente grandes estudos", e que a doença do paciente afetado está sendo "analisada e avaliada pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados independente, bem como por médicos clínicos e de segurança internos".

Você viu?

A identidade e localidade do paciente, no entanto, ainda não foi divulgada. Segundo a empresa, a "a privacidade do paciente deve ser respeitada e que, como ainda está aprendendo mais sobre a doença deste participante, é importante ter todos os fatos antes de compartilhar informações adicionais", afirmou. 

NA REGIÃO 

Essa é a segunda vacina testada contra a covid-19 na região de Campinas. Neste mês, o Hospital de Clinicas da Unicamp ampliou ainda mais o número de voluntários para a CoronaVac , vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com os chineses. Ao todo a CoronaVac será aplicada em 1 mil voluntários da região, que são profissionais da saúde.

Diferente da vacina testada pela Unicamp, a da empresa norte-americana, era disponilizada em dose única e estava aberta para qualquer pessoa que tivesse entre 18 e 59 anos e tivesse interesse se voluntariar para participar dos testes, sendo recusado apenas aqueles com comorbidades graves. Os participantes poderiam ainda ter tido ou não a doença. 

A VACINA 

A imunização da vacina, cujo nome oficial é Ad26.COV2.S, foi desenvolvida pela farmacêutica Janssen Pharmaceuticals, que pertence ao grupo J&J. Ela foi a quarta a obter autorização de testes de fase 3 no Brasil, em agosto. Em setembro, a empresa anunciou que começaria a terceira etapa em todo o mundo, com 60 mil voluntários. No Brasil, segundo a Anvisa, são 7 mil participantes.

Em 29 de setembro, segundo a empresa, resultados preliminares e parciais apontaram que a vacina era segura e induzia resposta imune mesmo após uma única aplicação.

Os resultados eram referentes a uma parte dos participantes das fases 1 e 2, que foram conduzidas de forma conjunta. Eles ainda não foram revisados por outros cientistas requisito necessário para publicação em revista científica mas tinham sido disponibilizados em um repositório online. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários