Campinas tem duas mortes a cada três internações em leitos de UTI Covid.
Divulgação/HC Unicamp
Campinas tem duas mortes a cada três internações em leitos de UTI Covid.

O prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos) afirmou, em um vídeo gravado nas redes sociais neste final de semana, que dois terços dos pacientes que vão para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em Campinas vão a óbito.

"De cada três pessoas que vão para uma UTI para tratamento covid, duas morrem. Por isso é muito importante evitar a contaminação e diminuir a transmissão do vírus na cidade", afirmou. O dado foi divulgado para alertar a população sobre o risco que a doença representa em relação à mortalidade.

A alta de casos em Campinas, assim como em todo Estado, está causando uma constante pressão nos leitos hospitalares desde a semana retrasada. Hoje o estado entrou na fase emergencial do Plano São Paulo.

A declaração do prefeito de Campinas foi feita durante o anúncio de uma reunião com os representantes de hospitais para discutir a superlotação no atendimento médico da cidade devido o acirramento da pandemia de covid-19. A conversa acontece na tarde de hoje .

"Estamos passando por um momento extremamente difícil. Convoquei uma reunião com todos os representantes, vamos discutir com todos a pressão que o sistema de saúde, tanto público como privado, vem sofrendo nesses últimos dias", explicou.

Segundo Dário, até ontem, 100 pacientes aguardavam na fila de espera por leitos de UTI ou enfermaria na cidade.

"As pessoas precisam entender. O fato de ter UTI é um alento, mas todo mundo que vai para UTI, tem uma taxa altíssima de óbito, mais de 50%. Estudos globais falam de dois terços de óbitos em pacientes que vai pra UTI e é intubado", disse o presidente da Rede Mário Gatti, Sergio Bisogni, no último sábado. 

NÃO É SÓ ABRIR LEITO

O presidente da Rede Mário Gatti também alertou para o alto número de internados na cidade, que mesmo com as constantes recargas de leitos, as estruturas não eram suficientes nem garantia de salvar vidas. 

Você viu?

"Vai ter uma hora que vai ter um limite. Não conseguimos abrir leitos indefinidamente, o que precisamos é de restrição de circulação para tentar bloquear a transmissibilidade. Isso é muito mais importante que número de leitos que estamos abrindo. Falamos do número de leitos para falar que estamos tentando, mas vai ter uma hora que vai ter um limite, e eu espero que a gente consiga controlar antes que esse limite seja atingido", finalizou. 

MAIS MEDIDAS

Além da reunião anunciada, hoje já começaram a valer algumas mudanças em Campinas.

Os atendimentos nos hospitais Mário Gatti e Ouro Verde foram restritos , sendo que os dois hospitais municipais passam agora a atender somente casos de urgência, emergência e trauma- ou seja, apenas casos mais graves.

Além da mudança, três centros de saúde serão colocados como exclusivos para atendimento à pacientes com sintomas da covid-19. São eles as UBSs São Bernardo, Capivari e Costa Silva, que estão perto dos hospitais.


Segundo a Rede Mário Gatti, essa semana novas ampliações em leitos municipais devem ser feitas.

"Nós estamos nos programando para segunda-feira abrir mais 10 leitos de UTI no Mario Gatti e no decorrer da semana mais 20. Na terça-feira eu estou abrindo mais 10 leitos de enfermaria no Ouro Verde e até o final de semana mais 18, já abrimos também o processo para abertura de 36 leitos no Hospital de Campanha, mas são leitos de enfermaria", explicou, citando que até o final de vem é esperado chegar a 160 leitos de UTI e 156 de enfermaria- maior número até agora" pontuou Bisogni.  

CASOS

Desde o início da pandemia, foram infectadas 73.912 pessoas com coronavírus. Outras 1.997 morreram com a doença.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários