Produtora de Campinas lança livro sobre a escrita e realização de projetos
Reprodução: ACidade ON
Produtora de Campinas lança livro sobre a escrita e realização de projetos

Será lançado no dia 19 de junho o livro Elaboração de Projetos para o Desenvolvimento de Agentes e Agendas, da produtora, gestora cultural e pesquisadora de políticas culturais Daniele Sampaio, de Campinas. O lançamento será às 17h, no Canal do YouTube do Festival Cena Contemporânea de Brasília.

A autora parte de suas experiências no campo da produção, de seu trabalho formativo e de suas reflexões sobre políticas culturais para compartilhar referências seguras e dicas preciosas para a elaboração de projetos.

A publicação, que tem orelha assinada pela doutora em História e autora de livros e artigos sobre políticas culturais Lia Calabre e prefácio do gestor cultural e professor Rômulo Avelar, será veiculada pela SIM! Cultura e a Editora Javali no formato de e-book com distribuição gratuita.

Elaboração de Projetos para o Desenvolvimento de Agentes e Agendas também será disponibilizado em uma série especial com 300 exemplares físicos, sendo 150 distribuídos gratuitamente para instituições culturais mapeadas pela equipe de produção do projeto e 150 vendidos a preços populares (R$ 20) pela Editora Javali.

Você viu?

Segundo livro de Daniele Sampaio, Elaboração de Projetos para o Desenvolvimento de Agentes e Agendas foi criado para ser um suporte imediato no cotidiano das trabalhadoras e trabalhadores da cultura, submetidos a uma árdua condição desde o início da quarentena. Para a autora, a experiência de integrar uma série de grupos nos âmbitos local, estadual e federal em função dos debates em torno da Lei Aldir Blanc, configurou-se como um doloroso laboratório acerca da precariedade e desespero que, notadamente, marca a experiência de inúmeros agentes culturais no Brasil hoje.

"Este quadro, bem sabemos, não é de agora. Mas claramente se tornou insustentável ao longo de 2020/2021. Além disso, a experiência ministrando cursos de produção e gestão cultural nos últimos 12 anos retificou diversas vezes como o exercício da escrita é um dos grandes desafios enfrentados pelas/os agentes culturais. Não conseguir escrever um projeto que dialogue com os territórios dos próprios agentes e com os editais é, no limite, não ter acesso aos recursos. É como uma película de vidro que aparta esses sujeitos dos instrumentos de financiamento para a manutenção de seus trabalhos", conta Daniele.

QUEM PODE SE INSCREVER

Indo além de um roteiro meramente técnico, Elaboração de Projetos para o Desenvolvimento de Agentes e Agendas traz uma pergunta fundamental: Quem pode escrever?, mas antes vincula algumas ações, como inclusão, elaboração [crítica] de projetos, participação social, atuação política e financiamento à cultura, à construção de agendas e ao reconhecimento das políticas culturais como determinantes nos arranjos e modos de fazer.

"Eu não estava interessada em reiterar a ideia de que escrever um projeto é uma dinâmica simples de pergunta e resposta. Refutei isso veemente e procurei desenvolver um texto que pudesse contextualizar o histórico de políticas culturais, demonstrando como a escrita de projetos é uma habilidade requerida às e aos agentes culturais recentemente. Se é uma habilidade, significa que ela pode ser apreendida, desenvolvida. E para ser desenvolvida, lanço mão da técnica, que não é, de maneira nenhuma, pouco importante neste processo, mas igualmente não é suficiente", ressalta a autora.


Pensando nisso, Daniele Sampaio apresenta na segunda parte do livro uma estrutura básica para a elaboração de um projeto, procurando iluminar quais são as perguntas-chaves que devem estar em cada um dos tópicos.

No entanto, depois de contemplar o aspecto técnico, a autora frisa que o desenvolvimento do texto pode estar comprometido com as dimensões social e política intrínsecas, a seu ver, à atuação de agentes culturais, trazendo ao debate a noção de escrita cidadã.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários