Homofobia na escola: Estado pede desculpas à família de aluno
Reprodução: ACidade ON
Homofobia na escola: Estado pede desculpas à família de aluno

A Escola Estadual Aníbal de Freitas, em Campinas, divulgou, na tarde desta terça-feira (15), um pedido de desculpas após um episódio de discriminação contra um aluno de 11 anos que foi criticado no grupo de WhatsApp da escola após ter sugerido um trabalho com tema LGBT.

De acordo com a família da criança, assim que mandou a mensagem, o garoto foi atacado por pais de alunos e até mesmo funcionários da escola que disseram que a ideia era "absurda".

Além do pedido de desculpas, a Secretaria Estadual de Educação informou que vai promover uma série de eventos para discutir preconceitos.

Você viu?

Ontem (14) a SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que diligências estão em andamento visando ao esclarecimento dos fatos , e que as capturas das mensagens do grupo escolar serão analisadas.


PROTESTO

A escola amanheceu com paredes e fachada cobertas por cartazes de protesto contra a ação da unidade de ensino.

Os cartazes, pedindo respeito, foram colocados por manifestantes em frente à fachada da escola, que fica no Jardim Guanabara. 

Prints retirados do grupo mostram mensagens de discriminação (Foto: Cedida)

PEDIDO DE DESCULPAS

A Direção da EE Aníbal de Freitas vem se manifestar sobre o ocorrido no grupo de WhatsApp da turma de alunos do 6° ano A com a Equipe Escolar e que, infelizmente tomou proporções e consequências lamentáveis.

Ao propor um tema de estudo que envolvia a temática LGBTQIA+ um aluno de nossa escola encontrou uma recepção que lamentamos grandemente. A Escola deve ser um espaço de acolhimento, mas infelizmente, neste momento, dificuldades de comunicação atrapalharam o correto encaminhamento desta situação.

A EE Aníbal de Freitas, assim como a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, acredita na diversidade e nos direitos de todas as pessoas de ocupar os espaços de cidadania.

Frente ao ocorrido, esta Escola se prontifica e toma atitudes no sentido de:

- Promover o acolhimento do aluno e da família, que estão sendo convidados pela Diretoria de Ensino e Direção da Escola para que possam reunir-se e, conjuntamente discutir formas de convivência baseadas na escuta de todos e no respeito cidadão;

- Realizar formações com o corpo docente, funcionários e direção da escola para o enfrentamento de todas as formas de discriminação e preconceito;

- Rever as formas de comunicação com os alunos e as famílias para que privilegiem o diálogo e a convivência solidária;

- Valer-se do Programa CONVIVA- Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar para que a escola seja um ambiente de aprendizagem solidário, colaborativo, acolhedor e seguro, na busca da melhoria da aprendizagem.

- Disponibilizar o Programa Psicólogos na Educação para o acompanhamento da situação;

- Apurar as eventuais responsabilidades funcionais;

A equipe gestora coloca-se à disposição para manter um canal aberto de diálogo que enriquecerá as experiências de todos os envolvidos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários