Golpe em conta da Prefeitura de Campinas foi feito em 60 TEDs e PIX.
Carlos Bassan/Prefeitura de Campinas
Golpe em conta da Prefeitura de Campinas foi feito em 60 TEDs e PIX.

A Prefeitura de Campinas divulgou na tarde desta quinta-feira (1º) que recuperou R$ 1 milhão dos R$ 7,4 milhões que havia perdido em um golpe após 60 transações bancárias fraudulentas na última sexta-feira (25) (leia mais abaixo). O valor de R$ 1 milhão foi devolvido ontem (30).

Além disso, a Administração disse que entrou com uma ação indenizatória contra o Banco do Brasil para a devolução imediata do restante do valor (R$ 6,4 milhões) transferidos indevidamente.

O processo contra o banco foi distribuído na 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas. Na ação, a Administração também requer que, ao final do processo, o município seja ressarcido dos prejuízos causados, como a perda de rendimento diário do valor transferido indevidamente da conta.

Você viu?

O dinheiro recuperado foi devolvido pelo próprio destinatário do TED (Transferência Eletrônica Disponível). De acordo com a Prefeitura, o valor, que estava em uma conta da Secretaria de Finanças, foi retirado em 60 transferências de TED e PIX, por meio de uma transação fraudulenta . Tanto a Prefeitura como a Polícia Civil investigam o caso.

Segundo o secretário de Finanças de Campinas, Aurílio Caiado, o dinheiro é parte de uma reserva da Prefeitura e não afetará os pagamentos futuros. No total, foram 64 transferências feitas, mas o valor voltou aos cofres públicos em quatro delas.

INVESTIGAÇÕES

Além do inquérito da Polícia Civil, a Prefeitura também abriu sindicância para apurar, em 90 dias, possível responsabilidade de servidores. Segundo a Administração, o valor foi retirado e transferido para dezenas de contas de pessoas físicas e jurídicas.  

O nome dos envolvidos não foi divulgado. Essa fraude foi identificada por dois funcionários da pasta de Finanças. Ambos são concursados e têm 20 anos de serviço na Prefeitura.


OUTRO LADO

O Banco do Brasil foi procurado pela reportagem para comentar o caso e a ação na Justiça. Essa matéria será atualizada assim que isso ocorrer. Em nota anterior, a instituição disse não ter identificado uma invasão no sistema, mas que "vai analisar as movimentações financeiras por meio de processo interno para definir responsabilidades das partes envolvidas".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários