Campinas aumenta capacidade de alunos em escolas e faculdades a partir de hoje.
Eduardo Lopes/Prefeitura de Campinas
Campinas aumenta capacidade de alunos em escolas e faculdades a partir de hoje.

Começam a valer nesta segunda-feira (2) as novas regras com flexibilizações para o retorno das aulas presenciais nas escolas e universidades de Campinas.

A partir de hoje , as escolas das redes municipal, estadual e privada de Campinas poderão organizar as atividades presenciais sem limite de ocupação , ou seja, com até 100% da capacidade, desde que respeitado o distanciamento estipulado de 1 metro entre os alunos. Até então, a regra era de limitação de até 35% de alunos.

No caso de cursos superiores, o limite de atendimento nas faculdades e universidades será de 60% . No entanto, cursos superiores e técnicos da área de saúde e as atividades práticas de todos os cursos, podem ter ocupação de 100%, mas também respeitando o distanciamento estipulado.

Também hoje, as escolas da rede municipal ampliam o horário de aulas . As creches, destinadas aos alunos de zero a 3 anos, estendem o horário em três horas, e passam a atender das 7h às 14h. Até então, as crianças permaneciam nas unidades das 7h às 11h. Já na à pré-escola, voltada aos estudantes de 4 a 5 anos, e no ensino fundamental, o turno aumentou de três para quatro horas diárias.

O revezamento também muda e agora duas turmas farão o revezamento semanal- Enquanto uma parcela está em aulas presenciais, os demais fazem atividades remotas. A exceção fica para as escolas de ensino integral, que não terá separação de turmas.

DEFINIÇÕES

As novas regras foram definidas por decreto municipal publicado no último dia 23. No dia 28, a Prefeitura reduziu o distanciamento entre alunos, estipulando o mínimo de 1 metro antes, a distância definida era de 1,5 m.

Apesar da regra, segundo a secretaria de Educação, nas escolas municipais será mantido a distância de 1,5 metro. Em entrevista ao ACidade ON , o secretário de Educação de Campinas, José Tadeu Jorge, disse que é estimado que a ocupação de alunos seja de até 50% nas escolas municipais . Segundo ele, a definição de quantos alunos poderão ser colocados por sala vai depender da análise da escola.

"As escolas farão sala por sala, como foi feito no plano de retorno. Em termos práticos as escolas vão rever o que já fizeram e ver quantos cabem. Certamente vai caber mais. Coloco o número de 50% como uma média, uma previsão, mas isso teremos de maneira determinada e fixa assim que adaptarem", afirmou. 


ADESÃO

Antes do recesso escolar, o secretário de Educação informou que a adesão as aulas presenciais na rede municipal ficou em 20% em Campinas no primeiro semestre deste ano. Questionado novamente, o secretário disse que espera um retorno com mais alunos no presencial, mas acredita que boa parte optará em continuar em casa, com aulas remotas, devido a não obrigação da presença, regra definida pelo Conselho Nacional de Educação.

"O fator é a confiança, e o mais importante é a obrigatoriedade ou não da frequência. Minha opinião é que enquanto a frequência não for obrigatória, vamos conviver com abstenção. Com famílias que preferem que seus filhos fiquem no remoto, o que até é compreensível, porque medo e receio são individuais", disse. 

COMO SERÁ

Na Rede Municipal de Ensino, os alunos serão divididos em duas turmas. Em uma semana uma turma assiste aula presencial e a outra faz as atividades na plataforma on-line, em casa. Na outra semana, ocorre o inverso. Hoje, os alunos estão divididos em três turmas. 

Você viu?

"Eram três turmas, com as novas regras serão só duas. Melhora o tempo para avançar o conteúdo", explicou. 


CONFIANÇA NA RETOMADA

Questionado sobre os receios da retomada sem limitação de alunos, o secretário de Educação pontuou que todas as medidas foram tomadas com autorização do Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde), e que acredita que a escola é um ambiente seguro para os alunos. 

"A medida que o retorno foi ocorrendo, fomos comprovando o que se dizia, de que as escolas são ambientes seguros, isso se confirma. Os casos que ocorreram de surtos na rede municipal a contaminação não se deu em ambiente escolar, além disso, hoje a situação é muito mais segura que antes", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários