Guarda Municipal de Campinas.
Carlos Bassan / Pref. de Campinas
Guarda Municipal de Campinas.


Pelo segundo ano seguido, Campinas não terá o tradicional desfile de 7 de setembro (Proclamação da Independência do Brasil) por conta da pandemia da covid-19 na Avenida Francisco Glicério.

Apesar do cancelamento do ato, estão previstas duas manifestações - a favor e contra o governo federal na região central e, por isso, a GM (Guarda Municipal) e a PM (Polícia Militar), informaram hoje que reforçarão a segurança pela região central na próxima terça-feira.

De acordo com as forças de segurança, as corporações estarão atentas para evitar atos de violência no local e as ações terão início pela manhã.

MANIFESTAÇÔES

As corporações informaram que está previsto que os grupos de manifestantes irão se concentrar no Largo do Rosário e outro no Largo do Pará as duas praças ficam na mesma avenida, a Francisco Glicério.

Você viu?

Não há previsão de que os grupos se desloquem desses espaços em caminhadas. O policiamento estará nesse entorno.

"As forças de segurança vão intensificar o patrulhamento, permanecer com viaturas em pontos estratégicos e monitorar a movimentação, com especial cuidado para o comportamento do público previsto em duas manifestações marcadas para o dia, a partir das 9 horas", informou a GM por nota.

CÂMERAS

No dia, as corporações também contarão com o monitoramento feito por câmeras de segurança.

Os setores de Inteligência da Guarda Municipal e da Polícia Militar também irão acompanhar e trocar informações sobre a movimentação dos grupos nas redes sociais.  


Denúncias à Guarda Municipal de Campinas podem ser feitas pelo telefone 153.

SEM DESFILE

Como não haverá o desfile de 7 de setembro, a Prefeitura de Campinas não fará interdição do trânsito na avenida. Antes da pandemia, o evento ocorria tradicionalmente na Avenida Francisco Glicério, na área central, reunindo cerca de 20 mil pessoas.

O desfile reunia a participação de escolas municipais, bandas e instituições da cidade, como Corpo de Bombeiros, polícias Civil e Militar e o Exército.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários