Campinas registra aumento de 76% em focos de incêndio em 2021.
Divulgação
Campinas registra aumento de 76% em focos de incêndio em 2021.


Leia Também

Campinas registrou um aumento de 76% no número de focos de incêndio em 2021, segundo balanço da Operação Estiagem divulgado pela Prefeitura de Campinas. De acordo com o levantamento, neste ano, foram registrados 471 focos de incêndios entre maio e setembro. Já no ano passado, no mesmo período, foram 268.

Além disso, a secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável realizou 119 atendimentos de ocorrências de incêndios ou queimadas.

Também foram emitidas 22 multas a infratores com base na lei 16.024 de 2020, que proíbe provocar incêndios para preparar terreno ou fazer limpeza de mato e lixo orgânico. A multa prevista é de R$ 19 mil por hectare ou fração.

COVID-19

A operação também realizou 699 desinfecções de áreas externas de grande circulação de pessoas como terminais de ônibus, unidades de saúde e serviços de Assistência Social. A medida é uma estratégia complementar de saúde pública.

AUMENTO DE BOLETINS

O balanço da Operação registrou ainda aumento na expedição do número de boletins de Estado de Atenção, Alerta e Emergência em 2021. Os três índices estão relacionados à Umidade Relativa do Ar (URA) abaixo de 30%, que é considerada baixa e prejudicial à saúde e ao meio ambiente.

Quando a URA está entre 20 e 30% é registrado Estado de Atenção. O Estado de Alerta é caracterizado pelo índice entre 12 e 20%, enquanto um registro de URA abaixo de 12% leva ao Estado de Emergência. Neste ano foram emitidos 170 boletins do tipo contra 105 em 2020 aumento de 62%.

Também foram emitidos 83 boletins de baixa temperatura (foram 40 em 2020) e cinco sobre ondas de frio. Esses alertas são acompanhados de recomendações para proteção das pessoas mais vulneráveis e divulgados quando a temperatura está abaixo de 13°C.

MONITORAMENTO

O monitoramento de incêndios feito pela Defesa Civil foi realizado por imagens de satélite do Sistema de Monitoramento de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais, complementado por vistorias preventivas em áreas de risco de queimadas.

Os agentes vão até o local e também acionam outros serviços como o Corpo de Bombeiros para combater o fogo.

Segundo o coordenador da Defesa Civil de Campinas, Sidnei Furtado, o aumento no número de queimadas se deve a uma combinação de baixa umidade do ar, falta de chuva e comportamento criminoso de pessoas que colocam fogo no mato ou soltam balões.

Esta última ação é crime ambiental e pode ser denunciada pelo telefone 181. Os responsáveis estão sujeitos à prisão de um a três anos, multa e até mesmo às duas penalidades simultaneamente.



CAMPINAS SEM QUEIMADAS

A secretaria do Verde também realizou uma série de ações dentro da Operação Estiagem. A formação de uma brigada voluntária das APA (Áreas de Proteção Ambiental) Campinas e Campo Grande teve a parceria de diversos setores municipais e do Corpo de Bombeiros, órgão responsável pelo credenciamento e acionamento dos voluntários, além de ter ministrado o curso para formação dos brigadistas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários