UPA Carlos Lourenço deixa de ser exclusiva para Covid nesta segunda.
Carlos Bassan/PMC
UPA Carlos Lourenço deixa de ser exclusiva para Covid nesta segunda.

A partir desta segunda-feira (1º), a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Carlos Lourenço deixará de ter atendimento exclusivo para casos de Covid-19. A mudança ocorre diante de uma melhora nos índices da pandemia em Campinas.

Segundo a secretaria municipal de Saúde, não há mais necessidade de manter a UPA Carlos Lourenço como um hospital de campanha, porque o número de internações de pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19 caiu devido a vacinação.

No total, 33 leitos de enfermaria serão desativados. O local passará por adaptações e limpeza, para poder retomar, na quarta-feira (3), o atendimento de urgência e emergência em clínica médica.

Com isso, a Rede Mário Gatti estará com o atendimento de covid centralizado no hospital Ouro Verde e na unidade hospitalar Mário Gatti-Amoreiras, com um total de 35 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 43 de enfermaria. 

DESAFOGAR 

Ainda segundo a Saúde, a retomada da UPA Carlos Lourenço contribuirá para reduzir a pressão no pronto-socorro do Hospital Municipal Mário Gatti, que este ano atendeu 92,7 mil pacientes até setembro, média de 340 por dia.

Leia Também

Antes de ser convertida em hospital de campanha para Covid-19, em dezembro, a UPA Carlos Lourenço atendia, em média, 140 pacientes diariamente. 

Leia Também

O funcionamento será de 24h diárias para atender livre demanda da população, e também começará a receber aqueles levados pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). O local estará equipado com 23 leitos, sendo 18 de observação, dois de observação de isolamento e três de emergências.


PANDEMIA

De acordo com a diretora do Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde) de Campinas, Andrea von Zuben, a transmissão da covid-19 teve diferentes etapas na cidade.

"Começa a pandemia no município com os principais acometidos sendo de áreas sociais mais abastadas. Eram pessoas que viajaram. Passando o tempo, áreas de maior vulnerabilidade passaram a ser atingidas. E aí aquela premissa do fica em casa e mantenha distanciamento passaram a ser um desafio muito grande" , explicou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários