Homem que falsificava produto antirrugas é preso em Campinas
Reprodução: ACidade ON
Homem que falsificava produto antirrugas é preso em Campinas

Um homem de 37 anos foi preso pela Deic (Divisão Especializada de Investigações Criminais) nesta terça-feira (29), em Campinas, por suspeita de fabricação e comercialização de produtos antirrugas falsificados.

Leia Também

Leia Também

Os policiais civis foram até uma casa no Jardim Guanabara após receberem denúncias sobre uma fábrica clandestina de produtos de beleza. As equipes foram até o local após autorização judicial da 5ª Vara Criminal da cidade.

No endereço do envolvido, a Deic confirmou a fabricação e a venda por redes sociais e sites. Também foi encontrado um estoque do produto, que era oferecido pela metade do preço do original, da marca La Roche-Posay.

Segundo a Polícia Civil, ao negociar as substâncias, o suspeito alega aos interessados pela compra que o produto é original e que consegue chegar ao preço exibido na internet após fraudar impostos de importação.

RECLAMAÇÕES DE CLIENTES

Ainda de acordo com as investigações, uma cliente que fez uma reclamação sobre o produto foi contestada pelo autor da falsificação, que ainda registrou um BO (boletim de ocorrência) contra a pessoa por difamação.

O homem preso confessou informalmente que adquire insumos da China e falsifica os produtos. Além disso, conta que injeta substâncias do país asiático para fazer, embalar e vender cápsulas de colágeno para a memória.

A fabricação é feita sem a presença de um responsável farmacêutico. Conforme um representante do laboratório, esta é a primeira ação da polícia no Brasil contra a falsificação do produto de beleza que ele representa.

Ele também alerta sobre o perigo de usar esse tipo de produto, já que pode causar sérios problemas à saúde e à pele por conter produtos químicos.



O suspeito foi preso por falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, com pena de reclusão de 10 a 15 anos.

"Nas mesmas penas incorre quem importa, vende, expõe à venda, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo o produto falsificado, corrompido, adulterado ou alterado", explica a Deic em nota.

O homem preso seria encaminhado à cadeia publica do 2º DP (Distrito Policial) de Campinas, onde ficará à disposição da Justiça.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários